Um ano depois do primeiro caso, Açores querem acelerar vacinação

© JEDGARDO VIEIRA

Os Açores assinalam hoje um ano do primeiro caso de covid-19 no arquipélago, numa altura em que o Governo Regional equaciona recorrer aos Estados Unidos para acelerar o processo de vacinação na região.

Em declarações à Lusa, o secretário regional da Saúde, Clélio Meneses, considerou que o “principal desafio que existe, para além do controlo permanente e diário da pandemia da covid-19, é a vacinação”.

Nesse sentido, frisou que o Governo Regional “pretende que este processo decorra com mais celeridade, que cheguem aos Açores mais vacinas e se consiga cumprir o plano de vacinação”.

O governante recordou que o presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro, pediu na semana passada à comissária da Saúde e Segurança dos Alimentos, Stella Kyriakides, uma “intervenção direta” junto da Comissão Europeia na disponibilização de vacinas em número que permitam a imunização dos açorianos.

O pedido do presidente do executivo açoriano é “no sentido de que o regime das ultraperiferias seja utilizado para fazer chegar aos Açores, como região ultraperiférica que é (…), um tratamento adequado a essa diferença, no sentido de chegarem mais vacinas aos Açores o mais depressa possível”, especificou.

Segundo Clélio Meneses, o objetivo é, “não retirando vacinas ao território nacional, que estas consigam chegar aos Açores diretamente no âmbito do regime de ultraperiferia”.

O secretário regional apontou que “já foi adiantado, através do vice-presidente do Governo Regional, que tem a tutela do Acordo Bilateral e de Cooperação, a possibilidade de, recorrendo àquilo que é a reação especial entre Portugal e os Estados Unidos, decorrendo sobretudo da existência da Base das Lajes, haja essa alternativa”.

“O que pretendemos é alcançar o maior número de vacinas para os açorianos para que a situação se estabilize no mais curto espaço de tempo possível”, afirmou.

Nos Açores, cerca de 10.800 pessoas já levaram as duas doses da vacina e 18.600 a primeira, esperando-se que, “até final de abril, e com a chegada de mais vacinadas, se for cumprido o que está previsto, se consiga cumprir com a primeira fase da vacinação”, disse o governante.

O primeiro caso da covid-19 nos Açores, em 15 de março de 2020, foi uma mulher de 29 anos, residente na ilha Terceira, com história de passagem recente por Amesterdão, na Holanda, e Felgueiras, no distrito do Porto.

Os Açores diagnosticaram, nas últimas 24 horas, quatro novos doentes com covid-19, resultantes de 593 análises efetuadas, tendo a região atualmente 100 casos positivos ativos, informou hoje a Autoridade de Saúde Regional.

O arquipélago conta atualmente com 100 casos positivos ativos, dos quais 96 em São Miguel, dois na Terceira e dois no Pico.

Até hoje já foram diagnosticados na região 4.004 casos, 3.768 recuperações e 29 óbitos.

Lusa/ DL

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário