Santacruzense José Raimundo integra Comissão Técnica de organismo europeu de Patinagem

José Raimundo tem 41 anos e está envolvido na modalidade há 28 anos © DL

José Raimundo, natural da freguesia de Santa Cruz, antigo presidente da Associação de Patinagem de São Miguel é o atual vice-presidente da Federação Portuguesa de Patinagem, tendo a seu cargo a pasta da patinagem artística. Recentemente, tomou posse como um dos quatro novos membros da Comissão Técnica da World Skate Europe, dando assim mais um salto na sua carreira, desta vez para o panorama internacional. O Diário da Lagoa contactou Raimundo para saber mais.

DL: Como é que se sente perante o convite para integrar a Comissão Técnica de uma entidade internacional?
Primeiro é uma grande honra alcançar um patamar internacional, ser membro da World Skater Europe, o organismo que dirige a patinagem artística na Europa e que, ao fim ao cabo, vai regulamentar também e operacionaliza todas as competições dentro da área europeia. Acho que, sem dúvida, para a Lagoa e para os Açores e Portugal, certamente é um grande orgulho, mas com sentido de grande responsabilidade pela exigência do cargo em si.
Com os anos todos de experiência que tenho, desde logo como atleta, juíz, treinador, dirigente, acho que estou mais que preparado para assumir essa responsabilidade e, também, para dar a minha visão da patinagem artística na Europa.

DL: O que é que o cargo vai implicar?
Mais trabalho, uma maior organização da minha vida, naquilo que é a organização dos diversos eventos desportivos, bem como a nível de toda a regulamentação que tem que ser trabalhada neste sentido. Mas, dentro disto, também, continuo como vice-presidente da Federação e tenho que gerir essas duas situações, de forma a que consiga dar respostas eficazes.

DL: Vai ter que abdicar de alguma atividade para se dedicar ao novo cargo?
Vou continuar a fazer o meu trabalho e assumir essas duas responsabilidades, quer na Europa, quer como vice-presidente da Patinagem Artística na Federação. Agora, o cargo em si limita-me porque não posso acompanhar na Europa a nossa seleção Portuguesa. Por uma questão de ética e de princípio, uma vez que passo a representar toda a Europa. Acaba por ser uma limitação neste sentido.

DL: Em termos práticos quais são as suas funções no terreno?
Primeiramente temos que operacionalizar os calendários desportivos da Patinagem Artística na Europa, toda a regulamentação aplicável de acordo com a entidade mãe que é a World Skate na sua operacionalização na Europa, para além da organização dos respetivos campeonatos da europa e taças da europa. Para todo o acompanhamento que é feito de toda a patinagem a nível europeu. 

DL: Considera que o cargo internacional é a recompensa pela sua longa carreira?
Sem dúvida que sim, é um orgulho chegar a esses patamares, é uma grande responsabilidade mas acima de tudo também é uma recompensa pelos vários anos de trabalho e dedicação que tenho dado à patinagem artística. 

Clife Botelho

Entrevista publicada na edição impressa de abril de 2022

Categorias: Entrevista

Deixe o seu comentário