Resiliência

Foto: DL

Nos últimos meses temos sido confrontados com um conjunto de novas experiências relacionadas com o surgimento da doença Covid-19.
Alteramos rotinas, afastamo-nos de familiares e amigos, deixamos de poder sair, trabalhar, frequentar a escola…
Os serviços de informação passam noticias da devastação mundial que esta doença está a causar, e fazem-no a toda a hora, um pouco por todo o lado só se leem apelos ao confinamento e ao distanciamento social.
Cidades desertas, restaurantes, bares e cafés fechados, lojas com papel pardo a tapar suas montras, serviços encerrados ou com medidas restritivas de acesso.
Ouvem-se queixas a vários níveis, é a saudade, o desalento, a insegurança, o medo, a fome ou o receio dela. De longe em longe uma palavra de esperança ou um arco-íris pintado à janela.
Até quando tudo isso?
Não sabemos!
O que sabemos é que teremos de aprender a viver com esta nova realidade o que no meu entender, requer resiliência.
No âmbito da Psicologia resiliência é a capacidade que as pessoas têm de se adaptar à mudança, de lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir aos danos causados por situações adversas adotando para tal estratégias para fazer face a estas situações mantendo a saúde.
Enquanto que algumas pessoas parecem ter uma resiliência inata, outras desenvolveram-na ao longo da vida, para outras esta capacidade não se desenvolveu o suficiente para fazer face às adversidades da vida. Na situação que estamos a vivenciar atualmente é importante aprendermos a desenvolver a resiliência.
Embora cada um de nós tenha a sua forma de gerir o stress e as suas próprias estratégias e condicionantes é importante investir no desenvolvimento de resiliência.
Tente ser e manter-se flexível, assim é mais fácil encontrar formas de ajustar os seus objetivos e adaptar-se à mudança.
Tente tirar lições das experiências negativas. Sinta que aprendeu alguma coisa.
Tente manter uma atitude positiva perante a vida.
Mantenha os seus relacionamentos baseados no altruísmo, dê e receba.
Liberte-se de tensões, expresse as suas emoções e pode fazê-lo através da escrita, do desenho, da dança, da meditação, entre outros.
Adquira hábitos saudáveis como o exercício físico regular, dieta saudável, leitura, rotinas de repouso e sono reparadores.
Sorria, mantenha o senso de humor mesmo nas situações mais delicadas. Confie em si mesmo.
Seja otimista.
Em suma, nos tempos que correm devemos proteger a nossa saúde de forma a fazer face a esta adversidade e sairmos pessoas mais fortes e resilientes desta experiência.

Alguns conselhos:
Proteja-se do excesso de informação, evite estar sempre a ouvir notícias, isto pode aumentar a ansiedade.
Cuide do seu corpo, pratique exercício físico, fazer uma alimentação saudável…
Faça coisas que gosta, tire tempo para si para fazer o que gosta, ler, ver filmes, cuidar do jardim…
Pratique a resiliência
Estabeleça e cumpra uma rotina
Tente fazer as coisas no mesmo horário, como o trabalho e autocuidados
Mantenha o contacto com familiares e amigos
Peça ajuda se precisar
Se achar que não está a conseguir e que a ansiedade, a tristeza e o medo estão a controlar a sua vida procure ajuda. Ligue para o seu centro de saúde ou para a Linha de apoio psicológico COVID 19 com o número 800296296, que funciona todos os dias da semana entre as 10h00 e as 20h00.
Estes são tempos difíceis para todos nós, com o melhor de cada um, juntos ultrapassaremos esta provação e sairemos certamente mais fortes.

Dr. João Martins de Sousa, Delegado de Saúde de Lagoa

(Artigo de opinião publicado na edição impressa de junho de 2020)

Categorias: Opinião

Deixe o seu comentário