Projetos da Escola Secundária de Lagoa distinguidos na XI Mostra Nacional de Ciência, no Porto

A Escola Secundária de Lagoa (ESL) esteve presente na XI Mostra Nacional de Ciência com dois projetos tendo sido os dois distinguidos com Menções Honrosas.

A 11ª Mostra Nacional de Ciência realizou-se de 1 a 3 de junho, no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, na qual estiveram presentes, a concurso, os 100 melhores projetos apurados dos 116 projetos da 25ª edição do Concurso Jovens Cientistas, da autoria de 309 jovens cientistas, orientados por 73 professores e oriundos de 56 escolas a nível nacional.

Segundo uma nota enviada à nossa redação, os projetos a concurso eram das mais variadas áreas de estudo: Biologia, Ciências da Terra, Ciências do Ambiente, Ciências Médicas, Ciências Sociais, Economia, Engenharias, Física, Informática/Ciências da Computação, Matemática, Química e Bioeconomia.

Para além de estarem presentes jovens cientistas de todo o país, também estiveram presentes 5 projetos internacionais oriundos do Brasil, Espanha e Moçambique.

A presença dos alunos da ESL foi o resultado de um ano de trabalho intenso da turma do 12º Ano, coordenados pela professora Alexandra Seara. A colaboração da Universidade dos Açores, nomeadamente através do seu Departamento de Biologia, do Continente Modelo, e o apoio da Câmara Municipal de Lagoa foram imprescindíveis para que estes projetos se tornassem possíveis.

A Câmara Municipal de Lagoa tem vindo a fomentar o desenvolvimento de um movimento crescente em torno da Ciência. As diversas instituições de Ciência que existem no concelho e as iniciativas que vão surgindo, como é o caso das que têm vindo a ser levadas a cabo pela Escola Secundária de Lagoa, têm o apoio incondicional da autarquia uma vez que o desenvolvimento da curiosidade e espírito científicos é determinante na preparação dos nossos jovens para um futuro cada vez mais exigente.

Com esta distinção todos os envolvidos viram, por um lado, premiado o seu trabalho, esforço e dedicação, e, por outro lado, confirmar a direção a seguir para trabalhos futuros.

O projeto, ” Biomarcadores Hepáticos em Scomber SP. como ferramentas de Biomonitorização para metais pesados”, da autoria de Alice de Freitas Preto, André Botelho Rocha, Mariana Raposo Ferreira e coordenado pela professora, Maria Alexandra da silva Seara Medeiros, demonstra que poluição do meio aquático tem despoletado uma preocupação crescente na segurança alimentar. Neste sentido, foi selecionada uma espécie bioindicadora, comum em Portugal Continental, nos Açores e na Suécia, (Scomber sp. ; n.v. cavala), e na dieta da população destas três regiões, de modo a averiguar a relação entre o grau de contaminação por metais pesados e a histopatologia do fígado. Foram analisados 5 biomarcadores no fígado de 50 indivíduos destas três áreas do Atlântico Nordeste: densidade volumétrica relativa de hepatócitos; de estagnações de bílis; de células de Kupffer; de ductos biliares e de vasos sanguíneos. O músculo de 30 indivíduos foi analisado relativamente a 58 elementos químicos diferentes. Os resultados revelam diferenças entre as três regiões no que concerne à contaminação por xenobióticos. A análise histopatológica do fígado revelou que, as estagnações de bílis, constituem, em particular, um bom biomarcador para averiguar o grau de contaminação aquática.

O segundo projeto apresentado, “Influência da alimentação na Estrutura histológica do Testículo de bovinos (bos taurus)”, da autoria de Francisco Henrique Borges Moniz Pacheco, Mafalda Maria Barbosa Rebelo, Rita Rodrigues de Lima e tendo como coordenador a professora Maria Alexandra Seara, demonstrou que a fertilidade dos bovinos, o melhoramento genético e a exploração de técnicas de reprodução assistida, como a inseminação artificial e a transferência de embriões constituem alguns dos temas de investigação relevantes para o Arquipélago dos Açores com vista a uma maior rentabilização na criação dos animais e na melhoria da qualidade da carne e do leite. No entanto, grande parte da investigação realizada, é direcionada para a fertilidade das vacas e não dos touros/bois, uma vez que, o sucesso gestacional está dependente destas. Este estudo pretende contribuir para um melhor conhecimento relativo à fertilidade masculina dos bovinos e a sua relação com a alimentação. Dos 36 animais estudados, 16 foram criados em regime extensivo, em ambiente de pastagem e 20 foram criados em regime intensivo, em ambiente de estábulo. Os resultados revelam diferenças na estrutura tecidular destes dois grupos de animais relativamente à densidade volumétrica de túbulos seminíferos vs. Tecido intersticial.

DL/ESL

Categorias: Educação, Local

Deixe o seu comentário