Prepare o seu inverno

Angélica Teles
Técnica Farmacêutica
Farmácia Mântua

Chegou o equinócio de outono, marcado pelo recomeço das aulas, pelo início dos meses frios e também pela época tradicional da gripe. Esta previsibilidade deverá ser encarada como uma vantagem, pois permite-nos planear, prever necessidades e gerir os nossos recursos. Sabe como preparar o seu inverno? Que medidas deverá adotar? Quais os cuidados a ter? Vamos esclarecê-lo.
Atualmente, vivemos tempos excecionais e desafiadores marcados pelo surgimento de uma pandemia: a covid-19. Mudaram-se os hábitos, as rotinas e a nossa forma de estar na sociedade, pelo que, a palavra-chave é apenas uma: Prevenir.
A necessidade de cuidados de saúde sofre grandes flutuações sazonais, tendo um aumento substancial no inverno. A afluência aos sistemas de saúde não é apenas afetada pelo aumento da incidência das doenças infeciosas respiratórias, mas também pelas condições não infeciosas crónicas que são exacerbadas durante os meses de temperaturas mais baixas, tais como a asma, a doença pulmonar obstrutiva, bronquite crónica, entre outras. Neste próximo inverno, para além dos cuidados com as infeções respiratórias causadas pelo vírus da gripe e outros agentes respiratórios, acrescentam-se as exigências impostas pela covid-19.

Que medidas e rotinas de saúde devem ser adotadas?
É essencial que haja uma preparação prévia e consciente das necessidades de cada um. Todos já sabemos a importância de adotar um estilo de vida saudável para a nossa saúde. Através de uma alimentação equilibrada, saúde oral cuidada, prática de exercício físico e bons hábitos de sono, podemos reforçar o nosso sistema imunitário, que é uma espécie de exército a que o nosso organismo recorre para se proteger das agressões. E, tendo isso em conta, deverá incluir na sua dieta alimentos que, na sua composição nutricional, sejam ricos em substâncias antioxidantes: Vitamina C, Vitamina E, Selénio e Zinco.

Diariamente, nas várias atividades que praticamos, perdemos uma grande quantidade de água. Para o bom funcionamento de todos os sistemas e órgãos do nosso organismo, é importante repô-la, de modo a evitar a desidratação. As necessidades de hidratação diárias de cada pessoa estão associadas a fatores como a idade, sexo, profissão, tipo de alimentação, temperatura ambiente, entre outros. Uma boa técnica para se certificar de que está bem hidratado passa por observar a cor da sua urina: se está límpida e incolor significa que está hidratado; se está escura, deve reforçar a ingestão de líquidos.

Esteja atento e regule o seu estado de saúde: deve monitorizar a sintomatologia habitual e conhecer os sinais de alarme (de instalação aguda). Neste último caso, não deve ser adiada a ida ao médico. Também, não se esqueça de cumprir rigorosamente a medicação prescrita na posologia adequada, e tenha atenção para não deixar terminar o stock da sua medicação crónica.

Devemos todos agir para mitigar os riscos e os impactos negativos deste inverno que se aproxima, particularmente, os grupos de risco, que são alvos mais suscetíveis de desenvolver infeções respiratórias.

Como se pode preparar?
Sendo a gripe uma das doenças mais comuns desta estação, a vacinação é a forma mais eficaz de prevenção. Por outro lado, temos as infeções respiratórias tipicamente prevalentes no inverno que, apesar de partilharem alguns sintomas, possuem diagnósticos, consequências e tratamentos diferentes, pelo que não devem ser confundidas. O tratamento reside no alívio dos sintomas, e como tal, deve organizar o seu armário de farmácia em função deles:
Febre e dor – Medicamentos antipiréticos e analgésicos. Também deve possuir um termómetro;
Antigripais – Medicamentos compostos por diversas propriedades que, em ação conjunta, combatem todos os sintomas conhecidos da gripe e constipações;
Congestão nasal – Descongestionantes nasais sob a forma de spray ou gotas, que se aplicam diretamente no nariz (tópicos) ou de administração oral (sistémicos);
Rinorreia – Anti-histamínicos (medicamentos que ajudam a reduzir a quantidade de muco nasal);
Tosse – Agentes mucolíticos e expetorantes (facilitam a libertação das secreções) e antitússicos;
Dor de garganta, rouquidão e afonia – Medicamentos anti-inflamatórios, pastilhas com anestésicos e rebuçados emolientes;
Suplementos Vitamínicos – suplementos ricos em vitamina C, D, zinco, equinacea e própolis;
Batom para o cieiro e cremes hidratantes – Este problema pode surgir não só nos lábios, como também nas maçãs do rosto, pálpebras ou palmas das mãos. Daí ser importante ter consigo batons para o cieiro e cremes reparadores que ajudem a renovar a camada protetora da pele que está exposta aos fatores climáticos.

Com esta preparação, advém a responsabilidade de manter os medicamentos em condições que garantam a eficácia e segurança do seu uso, e como tal, relembramos quais são os principais cuidados a ter em casa:
– O local de armazenamento dos medicamentos deve ser ao abrigo da luz, da humidade e das fontes de calor;
– Crie condições para que as crianças não consigam aceder aos medicamentos;
– Os medicamentos devem ser guardados nas embalagens originais, acompanhados do respetivo folheto informativo;
– Os medicamentos prescritos pelo médico devem estar separados dos restantes e devem estar devidamente identificados (ex: nome do utente);
– O conteúdo do armário deve ser revisto regularmente, de forma a verificar os prazos de validade. Caso tenha algum medicamento/produto fora do prazo, não se esqueça de entregar na sua farmácia para reciclar. Seja responsável e cuide do ambiente. Vivemos tempos particulares, de incerteza e insegurança. O medo de infeção por covid-19 instalou receios e fomentou novos hábitos. Devemos utilizar a melhor arma que possuímos de momento para enfrentar este inverno desafiador que se aproxima: o conhecimento e a prevenção!
Se necessitar de esclarecimentos, não hesite em procurar o seu médico ou farmacêutico. Pode contar connosco!

A Sua Saúde, Sempre!

Categorias: Opinião

Deixe o seu comentário