Pitiríase Versicolor: vamos descomplicar esta micose?

Joana Paquete

Farmacêutica
Farmácia Mântua

À primeira vista parece algo muito complicado, mas na realidade é algo simples, nada do outro mundo. Para desmistificar esta micose, é necessário conhecê-la, aprender quais os seus sinais e sintomas, como poderemos tratá-la e até mesmo como a prevenir. Vamos a isso?

A Pitiríase Versicolor é uma infeção fúngica (micose) superficial da pele provocada pela alteração morfológica de um fungo, chamado Malassezia furfur. Este fungo habita de uma forma natural e inócua (sem causar infeção) como esporo na nossa pele, ou seja, está sempre connosco porque faz parte do nosso microbioma cutâneo. Por influência de diversos fatores, a Malassezia furfur, de esporo pode desenvolver-se e transformar-se numa hifa (forma patogénica) que invade o estrato córneo da pele, originando uma infeção que causa lesões cutâneas. A diferenciação da morfologia deste fungo pode ocorrer devido a fatores ambientais como a exposição a elevadas temperaturas e humidade, transpiração excessiva e aumento da produção de sebo. Alguns indivíduos podem ser geneticamente mais predispostos a desenvolverem este tipo de infeção, bem como os indivíduos com o sistema imunológico mais fragilizado. No entanto, a maioria das pessoas afetadas por esta infeção fúngica são saudáveis.

É uma das micoses superficiais da pele mais frequentes, especialmente entre a infância e a adolescência e, também em jovens adultos. Carateriza-se por ocorrer alterações na pigmentação da pele, originando lesões arredondadas a ovais de cor muito variável (daí o seu nome ser versicolor), pois podem ser hipopigmentadas (mais claras) ou hiperpigmentadas (mais escuras). A cor das lesões varia de acordo com a pigmentação natural do indivíduo, a exposição da área afetada à luz solar e a cronicidade da infeção. O tamanho das lesões é também muito variável, começando por serem pequenas e, caso não sejam tratadas, à medida que a infeção evolui tornam-se maiores e de formato mais irregular. Estas lesões surgem, principalmente, no tronco, pescoço, costas e braços, mas também podem aparecer no rosto. Trata-se de uma infeção que é, geralmente, assintomática, mas que pode provocar descamação e prurido ligeiros.

O diagnóstico baseia-se na aparência clínica das lesões e na identificação de hifas no exame micológico de raspagens de pele das lesões. Este exame, que se realiza ao microscópio, permite confirmar a presença do fungo na sua forma patogénica.

Sabia que as “manchas” da Pitiríase Versicolor revelam fluorescência quando submetidas a uma luz ultravioleta? Este é outro exame que se pode realizar, utilizando uma lâmpada de Wood, para evidenciar a infeção da pele de uma forma rápida e nítida.

A Pitiríase Versicolor é também conhecida como “micose de praia”, mas, ao contrário do que se pensa, não é adquirida na praia ou piscina! Trata-se de um mito! A verdade é que esta infeção é com mais frequência diagnosticada no verão, porque a maior exposição solar favorece o aumento do contraste entre as lesões provocadas pela Malassezia furfur e as áreas de pele saudáveis, isto é, estas lesões não ficam pigmentadas e sobressaiem assim sobre a nossa pele bronzeada.

Não é uma doença infeciosa nem contagiosa, portanto não há transmissão do fungo de pessoa para outra. Ah e não deixa cicatrizes na pele! O desenvolvimento deste tipo de infeção também não está relacionado com hábitos de higiene ou contato com locais públicos.

O tratamento da Pitiríase Versicolor envolve como primeira linha medicamentos antifúgicos de aplicação tópica (champôs, soluções, loções, pomadas ou cremes) e como segunda linha medicamentos antifúgicos orais (comprimidos ou cápsulas), mediante prescrição e monitorização médica para os casos mais graves e recorrentes. Tratar esta infeção envolve muita paciência e persistência no cumprimento do tratamento farmacológico, uma vez que pode levar ainda algum tempo até que as “manchas” desapareçam na totalidade e é muito elevada a probabilidade de recidiva.

A Pitiríase Versicolor conduz as pessoas à farmácia em busca de aconselhamento farmacêutico, dado que a maioria desconhece a origem destas “manchas” e de que existe um tratamento. Sendo esta uma infeção, maioritariamente, assintomática, leva as pessoas a procurarem uma solução essencialmente estética.

Aqui ficam algumas dicas simples para prevenir ou acelerar o tratamento desta infeção:

  • Evitar a exposição ao sol e usar sempre protetor solar 50+;
  • Não utilizar produtos oleosos no corpo;
  • Prefirir roupas mais largas, de preferência em algodão, para diminuir a transpiração;
  • Caso tenha infeções recorrentes realize um tratamento preventivo.

Saiba como o pode fazer de forma correta e adequada junto da sua farmácia.

A sua saúde, sempre.

Categorias: Opinião

Deixe o seu comentário