Operário prepara época com novos reforços

Com a suspensão do campeonato, fabris terminaram em terceiro lugar mas estão satisfeitos com a manutenção e já planeiam o recomeço da próxima temporada

Presidente quer apostar na contratação de jogadores açorianos Foto DL

Impedidos de concluir o Campeonato de Futebol dos Açores por causa da pandemia Covid-19, os fabris já começaram a olhar para o que se segue. O Presidente do Clube Operário Desportivo (COD) conta que o telefone não pára, mesmo com todas as competições paradas [à data do fecho desta edição]. “Temos trabalhado imenso e diariamente à distância, as reuniões são feitas por videoconferência, o clube não pára, estamos a fazer toda a estrutura e organização para a próxima época tanto a nível da formação como do desporto sénior e das modalidades que poderemos abrir”, explica Paulo Juromito. Emanuel Simão vai manter-se no comando técnico do Operário. O treinador dos fabris mostra-se satisfeito com a percurso que a equipa trilhou: “vínhamos de quatro jogos em que marcamos oito golos e só sofremos um, foram três vitórias e um empate, portanto a equipa estava a crescer e era isso que tínhamos planeado para entrar bem na segunda fase”.

A atual equipa técnica do Operário mantém-se. Emanuel Simão continua como treinador principal, Emanuel Falcão e João Oliveira como treinadores-adjuntos e Bruno Oliveira fica como treinador de guarda-redes.

Emanuel Simão diz ter atingido os objetivos que traçou para o Operário que era “ficar entre os cinco primeiros” mas reconhece que “para a grandeza do Operário é pouco”.

Novas contratações a caminho do Operário
Os jogadores Hugo Santos, Igor Cartaxo, Luís Simão, Hugo Viveiros, João Furtado, João Raposo, Miguel Machado e Rodrigo Varão são para já as renovações previstas para a próxima época. Sem avançar nomes, para já, o Presidente do COD, garante que prepara novidades: “já contratamos seis novos jogadores e vamos contratar, pelo menos mais oito a nove jogadores” até ao arranque da próxima época. “Estamos a contactar primeiro o jogador açoriano porque quanto mais jogadores açorianos tivermos melhor. Temos alguns entraves porque os valores que o próprio jogador açoriano nos pede, em muitos casos, não podemos comportar”, lamenta o Presidente dos fabris. Paulo Juromito diz que “o clube tem um objetivo claro para a próxima época, não é só garantir a manutenção, é a possibilidade de poder subir de divisão e para isso temos de contratar os melhores e não está a ser muito fácil”. A dificuldade prende-se sobretudo com a existência de várias equipas no campeonato nacional de séniores, com orçamentos superiores ao do Operário. “Toda a gente sabe que 80% de jogadores do plantel do Operário era de fora e neste momento estamos à procura de jogadores da Região para reforçar a equipa”, destaca Emanuel Simão.

O cenário, em muitas equipas, não é animador no que toca ao financiamento e respetivos pagamentos, uma situação que não se verifica no Operário: “aquilo que se tem vindo a falar de não pagamentos a jogadores, jogadores a passarem fome, de três a quatro meses de ordenados em atraso, graças a Deus não é aquilo que se passa com o Operário”, garante Paulo Juromito. O Presidente garante que os jogadores do clube têm os respetivos pagamentos em dia.

Atual equipa técnica renova para a próxima temporada Foto: COD

“Ganhar domingo, ganhar domingo e ganhar domingo”
O Operário ficou em terceiro, na tabela classificativa, com um jogo em atraso, quando foi suspensa a competição. O técnico dos fabris admite que nunca pensou que “uma situação destas pudesse acontecer. Estávamos a preparar o treino e jogo com o Guadalupe quando chegou a equipa médica e direção a dizer que estava cancelado o campeonato. Sinceramente não sabíamos se era uma semana, duas ou três mas depois veio a concretizar-se o cancelamento até ao fim”, explica.

A direção do clube diz-se, ainda assim, satisfeita com o resultado alcançado pelo Operário uma vez que a equipa conseguiu garantir o primeiro objetivo desenhado para esta época, o da manutenção.

Emanuel Simão reforça a necessidade de construir “uma equipa forte e competitiva à imagem do clube que é enorme”. O treinador não tem dúvidas de que na próxima época o objetivo principal só pode ser um: “ganhar domingo, ganhar domingo e ganhar domingo”. Emanuel Simão admite que não vai ser fácil o regresso ao relvado, já que os jogadores estiveram vários meses parados. “Isto nunca aconteceu, vamos ter um trabalho extra. Temos de ir por etapas e devagar, verificando o nível físico dos jogadores”, explica o técnico. Só depois de fechado o plantel será dado aos jogadores um plano de treino.

COD quer escalões da Formação completos na próxima época
Para a 2020/2021, a aposta dos fabris vai centrar-se também na formação. A direção do clube lagoense quer completar os seis vários escalões, desde os traquinas até aos juniores, com atletas desde os 5 até aos 18 anos. “Já conseguimos ter toda a estrutura da formação, os treinadores e diretores para todos os escalões, já temos alguns jogadores de cada escalão”, explica do Presidente do Operário. Paulo Juromito garante que o regresso ao relvado está a ser pensado e preparado tendo em conta a nova realidade, imposta pela pandemia, mas considera que a próxima época “será uma excelente oportunidade para que qualquer jovem da Lagoa possa querer iniciar a sua formação no COD”.

Sara Sousa Oliveira

(Reportagem publicada na edição impressa de junho de 2020)

Categorias: Desporto, Reportagem

Deixe o seu comentário