Operário entra de pé esquerdo no Nacional de Seniores

Futebol-Nacional-seniores-Serie-H-Açores

O pontapé de saída para a época 2014/15 do Campeonato Nacional de Seniores foi dado este fim de semana. Na Série H, onde estão presentes as três equipas açorianas, e nesta primeira jornada, melhor sorte teve a equipa da Cidade Património Mundial.

O recém chegado Angrense derrotou, na ilha Terceira, o Operário por 2-0, golos conseguidos no decorrer ainda da primeira parte da partida.

Segundo o site oficial dos fabris, André Branquinho, no final do encontro, disse notar-se a falta de jogos na pré-época. “O Operário apareceu mais na segunda parte, mas a vitoria é justa por parte do Angrense, e com as derrotas também servem para aprender”,  disse o técnico fabril, adiantando que “há que tirar, desta derrota, muitas hilações e há que melhorar”.

Segundo André Branquinho, o trabalho da semana não foi o melhor, e a equipa tem que trabalhar mais, sendo que na próxima jornada há que ser mais forte, mais competente e mais Operário, disse o técnico.

Sobre a participação das equipas açorianas nas provas nacionais, André Branquinho volta a referir que estas são sempre tratadas de forma impropria na Federação Portuguesa de Futebol.

“Quem defende as equipas dos Açores na federação?”, questiona o técnico referindo que muito pouco tem sido feito em beneficio do futebol açoriano.

“Se as pessoas que nos representam lá fora não sabem, e nem percebem o desgaste físico, psicológico e financeiro que as equipas açorianas estão sujeitas,  os planteis não estão preparados para as longas viagens que temos que fazer. A região em termos desportivos está isolada, não há direção, não há diretrizes”, referiu em declarações à comunicação social, no final do encontro.

O técnico da equipa da Cidade de Lagoa destaca a descriminação negativa em termos de subsídios pela palavra Açores, referindo que não há uma politica a seguir, onde questiona mesmo se há ou não razões para continuar a lutar nos nacionais.

André Branquinho recorda que o único objetivo e obrigação do Operário é honrar o seu emblema. “O Operário não é uma marca Açores, é uma equipa isolada numa luta desigual com as equipas do continente”, disse o treinador fabril, lê-se no site do Operário.

A outra equipa açoriana em prova, o Praiense, defrontou, no sábado, o Atlético de Moura. Os encarnados da Praia da Vitória tiveram algumas oportunidades não concretizadas, e n0 segundo tempo, acabaram por ver os da casa marcar por duas vezes, quase no fim do encontro.

O Praiense que terminou o encontro reduzido a dez elementos.

Na segunda jornada do Campeonato Nacional de Seniores, Série H, a ter lugar no próximo domingo, dia 31 de agosto, o Operário recebe, na Lagoa, a equipa do Quarteirense, o Praiense recebe, na Praia da Vitória, o Ferreiras, enquanto o Angrense desloca-se a casa do Aljustrelense.

DL

Categorias: Desporto

Deixe o seu comentário