Navio com toneladas de combustível a bordo afunda-se ao largo dos Açores

© Marinha

O navio Felicity Ace que se tinha incendiado ao largo do Faial, nos Açores, a meados o mês, afundou-se ontem, 1 de março, já fora da Zona Económica Excluiva dos Açores, para onde tinha sido rebocado. 

De acordo com o capitão do Porto da Horta, Mendes Cabeças, o “navio afundou a cerca de 230 milhas da Região Autónoma dos Açores a uma profundidade superior a 3500 metros”. O responsável explica que quando o navio afundou, tinha “à volta de três mil toneladas métricas de combustíveis” nos tanques que, aparentemente, não parecem estar, para já, danificados. Esta é a principal preocupação das autoridades.

Mendes Cabeças diz que “uma aeronave da força aérea sobrevooou a área para ver se detetava alguma mancha ou foco de poluição. Até agora pequenas manchas, coisas insignificantes que para já, não justificam qualquer intervenção humana no combate a essa poluição”. Os voos de monitorização da Força Aérea deverão manter-se durante os próximos dias. 

A bordo do navio estava cerca de quatro mil carros de luxo que terão sido todos consumidos pelas chamas.

De acordo com o capitão do Porto da Horta, “a monitorização está a ser feita pelos dois rebocadores que já estavam envolvidos no processo de reboque, da empresa contratada para o salvamento. Está já o navio da marinha portuguesa, o NRP Setúbal, que se deslocou para Ponta Delgada, para embarcar pessoal e material de combate à poluição para prevenção da eventualidade de surgir alguma mancha de poluição”. 

O NRP Setúbal deverá chegar ainda hoje, 2 de março, ao local onde o Felicity Ace afundou. Não estão previstas quaisquer operações de retirada do navio ou da carga do fundo do mar.

Quando se deu o incêndio a bordo, a 16 de fevereiro, tinham sido retirados os 22 tripulantes que foram transportados, em segurança, para a ilha do Faial.  

O Felicity Ace tinha bandeira do Panamá. Saiu da Alemanha e tinha como destino Rhode Island, nos Estados Unidos da América.

DL

 

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário