Milhares de notícias depois, o Diário da Lagoa faz oito anos

Clife Botelho
Diretor

O Diário da Lagoa foi fundado por um picoense, jornalista e comunicador de rádio, que viveu um período da sua vida na cidade da Lagoa. Norberto Silveira Luís, natural da Madalena do Pico, sem ter nascido nesta cidade, soube ser lagoense enquanto cá esteve, dando ao concelho o que mais ninguém conseguiu. 77 anos depois da última publicação do último jornal com sede na Lagoa, fez nascer o “Diário da Lagoa”. Foi a 21 de fevereiro de 2014, a data oficial em que o jornal foi validado na ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

O jornal começou primeiro com a edição diária online no início do ano de 2014, para no mesmo ano, em outubro, lançar a sua primeira edição impressa com periodicidade mensal. Desde então, só viu duas edições em papel não serem impressas. Devido à pandemia da covid-19, em abril e maio de 2020, o jornal foi publicado apenas no formato digital mas foi assim resistindo à crise a que muitos setores da atividade açoriana enfrentaram e nunca parou.

O Diário da Lagoa é o único jornal do concelho com registo na ERC, e foi criado com o intuito de mostrar o dia a dia do concelho, embora admitindo desde o princípio que não esqueceria as notícias da região que podiam interessar aos seus leitores. Tentou desde logo marcar-se pela diferença e foi cimentando a sua presença na imprensa local e regional.

Até que no último mês do ano de 2019, surgiu a oportunidade de nos reunirmos com o Norberto. Foi através do Padre Nuno Maiato que soubemos que o fundador estava de partida. Sem ninguém que quisesse dar continuidade ao projeto, sentamo-nos com ele durante um mês para “nos passar o testemunho”, agarrar o sonho que ele erguera e torná-lo também nosso. Surgia assim em janeiro de 2020 a primeira edição dirigida pela jornalista Sara Sousa Oliveira que se manteve na liderança maioritariamente em tempo de pandemia, até à edição de junho de 2021. A Sara, lagoense, natural de Santa Cruz, e jornalista com mais de uma década de experiência nos media nacionais, trabalhou o estilo que o jornal viria a adoptar e que continua agora a seguir e a aprimorar. O nosso lema “Notícias que contam”, valoriza as notícias locais, regionais e de um jornalismo feito com proximidade.

Depois de 18 meses em equipa com a Sara e de muito aprender, foi a minha vez de assumir a direção de Informação. Ela passou-me o testemunho e desde julho de 2021 como diretor do jornal, confesso que o peso da responsabilidade tem-me ensinado várias coisas. Desde logo, o quão difícil é investir num projeto como este, dar o peito às balas e fazer jornalismo numa cidade pequena e onde ainda pouco se lê ou valoriza o jornalismo que oferece o seu conteúdo gratuitamente, feito com dedicação e muito sacrifício. O jornal mantém-se gratuito — podia ser pago — porque preservamos o conceito de “combate à iliteracia”, seja ela qual for. Há em todo este projeto um espírito de missão e de se fazer essencialmente o que se gosta, como gostamos, chegando ao máximo de leitores possível. É assim que é gratificante verificar que em 2021 fechamos o ano com uma média de cerca de 40 mil visitas mensais na edição online, depois de em 2020 termos atingido as 60 mil, mantendo uma tiragem impressa de mil exemplares que depois se multiplicam em muitas centenas no PDF que circula online.

O jornal completa este mês oito anos de vida, e não é coisa pouca. Os quatro diretores que o jornal já teve estão de parabéns pela bonita casa que foram construindo. Ela não está terminada mas já abrigou muita informação e cimentou muita da história do concelho e da região. Àqueles que estiveram e sempre estarão na base desta casa, os nossos leitores, o nosso obrigado. Parabéns Diário da Lagoa!

Editorial publicado na edição impressa de fevereiro de 2022

Categorias: Opinião

Deixe o seu comentário