Lagoa recebeu 8ª edição do Açores Challenge

O Pavilhão da Escola Secundária de Lagoa recebeu a 8ª edição do Açores Challenge, numa organização do Clube de Patinagem de Santa Cruz – Lagoa, atual campeão regional e vencedor da Taça Açores.

Como tem vindo a acontecer nas anteriores edições, o torneio tem como objetivo levar a modalidade a várias localidades da ilha, aumentar o ritmo competitivo dos atletas e prepará-los para as provas oficiais regionais e nacionais.

Desta vez, e a exemplo nos últimos dois anos, a prova foi organizada na cidade de Lagoa, depois de já ter passado pela Povoação, Maia, Ponta Garça, Ribeira Grande e Ginetes. De salientar que as inscrições para a prova foram abertas a todo o território Nacional e Internacional.

O Açores Challenge Patinagem Artística Lagoa – época 2019 contou com um total de 72 atletas, de oito clubes, divididos pelos vários escalões.

A grande novidade da edição deste ano foi para o facto de ser o 1º Torneio nos Açores a ser avaliado com o novo sistema de ajuizamento Rollart da Worl Skate em vigor para 2019, aliás, um facto destacado por Geraldo Andrade, treinador do clube organizador.

“Mais uma vez trazemos uma novidade, neste caso, um grande desafio que será o futuro da patinagem artística. É uma aposta para que num futuro próximo possamos crescer e eliminar aquilo que estamos a falhar”, realçou.

Por seu turno o presidente da Associação de Patinagem de São Miguel, realça este primeiro teste de ajuizamento numa prova açoriana. José Raimundo adianta que o objetivo é implementar este sistema nos Açores, já este ano, embora não seja obrigatório, sendo um sistema que vem dar mais credibilidade à modalidade.

Pedro Luzio, membro do Comité de Patinagem Artística da Federação Patinagem de Portugal, e Helga Marques juiz internacional, fizeram parte do corpo Técnico de juízes juntamente com juízes da Associação Patinagem de São Miguel.

Ao Jornal Diário da Lagoa, Helga Marques diz ser este um sistema mais fiável e muito objetivo. “Existe uma separação de papeis entre o painel técnico e de ajuizamento, fazendo cada um a sua parte. Ou seja, o painel de ajuizamento avalia a qualidade da execução e o técnico identifica as dificuldades técnicas que tem de ser realizadas, e isso torna a avaliação mais objetiva, não comparando os atletas entre si, mas sim compara-se um com um padrão que é solicitado em termos técnicos”, explicou.

Quanto às equipas participantes, duas foram do continente, nomeadamente o Clube Desportivo Torres Novas, da Associação Patinagem do Ribatejo com 4 atletas, e o Clube Galp Energia, da Associação Patinagem de Setúbal com um atleta.

Maria Joaquina Deus reforça o seu regresso aos Açores depois de ter participado na Taça de Portugal, destacando o trabalho realizado na Patinagem pelo Clube de Patinagem de Santa Cruz.

A mais antiga treinadora de PA em Portugal realça a importância da participação nesta prova, onde reforçou o empenho dos pais dos atletas nesta participação.

“Estes meus atletas são duma escola que comecei à quatro anos e não puderam vir todos os atletas, visto que a deslocação só foi possível com o apoio dos pais, uma vez que não temos quaisquer tipo de apoios das entidades oficiais, e as despesas são grandes”.

“Esta nossa participação é sempre importante porque vimos competir com atletas diferentes, noutra realidade. Nós, no Ribatejo, normalmente competimos sempre com os mesmos atletas e esta deslocação torna-se importante para um convívio com outros atletas”.

Em representação da Associação Patinagem de São Miguel participaram o Clube Patinagem São Vicente Ferreira, com 10 atletas; Academia de Patinagem Artística dos Açores, com 14 atletas; Escola Patinagem Ponta Delgada, com 13 atletas; Clube Patinagem Ribeiragrandense, com 7 atletas; Clube Patinagem Vila Capelas, com 4 atletas; e o clube anfitrião, Clube Patinagem Santa Cruz – Lagoa, com 31 atletas.

DL

Categorias: Desporto

Deixe o seu comentário