Governo regional quer integrar 230 professores nos quadros

© GaCS

O Governo regional dos Açores pretende integrar nos quadros das escolas, no próximo ano letivo, 230 professores, que estiveram contratados sucessivamente por três ou mais anos, anunciou esta sexta-feira, 15 de janeiro, a secretária da Educação.

“O Governo assume aqui claramente o compromisso de colocar termo a esta precariedade integrando estes docentes. Na aferição que fizemos estamos a falar de 230 professores que estão sucessivamente contratados com contrato a termo”, avançou Sofia Ribeiro, em declarações aos jornalistas.

A governante falava, em Angra do Heroísmo, à margem de uma reunião com a Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica e Secundária Tomás de Borba.

Segundo Sofia Ribeiro, a tutela entregou já uma proposta de decreto legislativo regional às associações sindicais representativas do pessoal docente e espera estar em condições de lançar o concurso no próximo ano letivo.

“O nosso objetivo é termos o diploma fechado o mais depressa possível, de forma a que, no dia 1 de setembro, estes professores contratados já tenham a sua situação regularizada”, salientou.

A proposta do executivo açoriano prevê uma alteração ao regulamento do concurso de docentes que permita integrar professores “que estão sucessivamente contratados” e que “continuam num regime de precariedade, com penalização nas suas carreiras, com penalização económica e com penalização social”.

“Estamos a falar de professores que estão sempre a lecionar na região no mesmo grupo e que estão há três, quatro, cinco, 10 anos, sempre num regime de precariedade e que nunca integram os quadros da região”, reforçou a responsável pela pasta da Educação, que já foi dirigente sindical.

Pelas contas do executivo açoriano, a medida deverá abranger 230 docentes.

“Todos os professores da região que estiveram contratados até 31 de agosto último por três anos ou mais podem adquirir esse direito, com a salvaguarda de que estamos sempre a falar de uma proposta inicial do Governo Regional, que será negociada com os sindicatos”, apontou.

Lusa / DL

Categorias: Educação

Deixe o seu comentário