Log in

Uma viagem pelo mundo das plantas com Teófilo Braga

O autor do livro “As plantas na Medicina Popular dos Açores” sublinha a importância de se conhecer e identificar as plantas e os seus potenciais usos no dia a dia

Teófilo Braga tem 66 anos e é professor aposentado © DL

Teófilo Braga, 66 anos, é professor de Física e Química aposentado e um apaixonado pelo mundo natural. É autor do livro “As plantas na Medicina Popular dos Açores” e foi convidado a liderar uma sessão explicativa no quintal Etnográfico da Ribeira Chã para assinalar o dia Internacional dos Museus, a 18 de maio. Esse foi o ponto de partida para uma conversa com o Diário da Lagoa sobre aquilo que mais o interessa.

DL: Como surgiu este gosto pelas plantas?
Sou natural da Ribeira Seca, Vila Franca do Campo. O meu pai era agricultor. Desde criança habituei-me a cuidar das plantas e a ajudá-lo em alguns trabalhos agrícolas, embora na altura, não gostasse muito, mas há qualquer coisa que ficou cá dentro. 

DL: Sabemos que os nossos antepassados utilizavam muito as plantas para fins medicinais. Atualmente, esse uso ainda continua a ser feito nos Açores?
Ainda se faz, mas penso que cada vez se usa menos e cada vez as pessoas sabem menos. É uma coisa que se vai perdendo, por isso é que decidi publicar um livro, que tem a indicação de 100 plantas e os seus usos tradicionais, sobretudo os usos medicinais.

DL:  E são plantas endémicas e nativas dos Açores?
Não. Quando os povoadores chegaram encontraram um mundo completamente desconhecido para eles. Tiveram que trazer grande parte das plantas que são hoje ainda usadas na medicina popular. Das endémicas dos Açores, só conheço um caso de uma planta que é usada, que é um tomilho endémico.

DL: As plantas têm muitos usos e podem servir para várias coisas mas é preciso ter cuidado, certo?
É preciso ter cuidado no uso das plantas, sobretudo porque as plantas têm contra indicações e efeitos secundários. Mas além disso, o mais perigoso é o facto de a mesma planta ter nomes diferentes em localidades diferentes. Uma planta com determinado nome pode ser benéfica para a saúde, e noutra localidade, com o mesmo nome, ser uma outra espécie completamente diferente e ser muito prejudicial.

DL: Acha que o facto de conhecermos mais as plantas evitaria recorrermos a determinado tipo de fármacos?
Para casos ligeiros isso pode acontecer. Numa dor pontual não é necessário recorrer imediatamente à medicina, mas é sempre um risco. Convém sempre recorrer a um profissional de saúde que seja apto para detectar o tipo de doença e a forma de a tratar.

DL: Mas as plantas podem fazer pequenos “milagres” ou não?
Claro que podem. Grande parte dos medicamentos são feitos à base de plantas. Esse conhecimento é importantíssimo.

DL: Fez um questionário que envolveu 500 pessoas. Que principais conclusões tirou daí?
O questionário foi procurar saber que plantas eram usadas pelas pessoas entre 1988 e 1999. Fiz com a ajuda de alunos meus, da Escola da Ribeira Grande, Escola Antero de Quental, Escola das Laranjeiras. O objetivo foi saber que plantas eram usadas. Plantas com propriedades medicinais nos Açores há muitas.

DL: Quer deixar alguma mensagem aos leitores?
Um apelo para se informarem e conhecerem mais. E também que outras localidades façam o que é feito aqui na Ribeira Chã, que tem um quintal etnográfico com 13 plantas aromáticas. Isto é pioneiro e é o único. Não conheço outra freguesia que tenha um quintal etnográfico e um canteiro com plantas aromáticas e medicinais.

Os leitores são a força do nosso jornal

Subscreva, participe e apoie o Diário da Lagoa. Ao valorizar o nosso trabalho está a ajudar-nos a marcar a diferença, através do jornalismo de proximidade. Assim levamos até si as notícias que contam.

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

CAPTCHA ImageChanger d'image