Log in

Por que razão nos salva, ainda, a nossa Fé?

Júlio Tavares Oliveira
Escritor

Quando comecei a pensar neste artigo não queria, nem pretendia, que fosse um artigo única e exclusivamente focado num espectro religioso, independentemente da religião em causa de cada um. A verdade é que, no campo da «Fé», podemos ter dimensões diversas; vários tipos de «Fé» e, portanto, várias dimensões de crença, de Fé, de espiritualidade, seja num Deus, seja num profeta, seja num símbolo ou numa marca puramente comercial ou desportiva.

Pretendia, antes, focar-me, não no sentido religioso da «Fé», mas no sentido puramente restrito e estrito da palavra «Fé», e redimensionar este meu artigo para a orientação puramente ideológica da palavra: que sentido tem a Fé, seja ela qual for e para onde for direcionada, nas nossas vidas?

A fé é uma força. Impele quase sempre em frente; nunca vimos uma fé impelir alguém a dar um passo atrás, senão para a sua própria salvaguarda, ou prudência, ou segurança, talvez. A fé é, talvez, um instinto, um âmago de emoções, ou, diria eu, quando a nossa inteligência emocional não consegue percecionar ou capitalizar, de forma eficiente, a eternidade e torna-se incapaz de filtrar o divino, entrando no campo do puro, e insondável, mistério.

A fé não pode ser senão um mistério que nos faz mover num sentido ascendente. A fé torna-nos maiores; nascentes; e torna-nos melhores. A origem da fé somos nós mesmos, não está na origem dos símbolos, das religiões ou dos magmas em torno da qual se move e se simboliza ou idealiza. Ela nasce de dentro e de nós, e de dentro de nós se torna semente, fruto e se cristaliza.

Nas horas de maior provação, na vida ou na doença, na dor e na perdição, a fé aguenta-se como uma lamparina, um pêndulo de luz, um sorriso por dentro da noite, um sol nascente, um último andaime, que nos faz ter esperança num dia novo. Isso, precisamente, porque, essencialmente, e como disse, a fé é sempre ascendente; vem de entro, torna-nos maiores e melhores.

Ter fé é capitalizar uma dívida. É prometer que se cumpre. E, na maior parte dos casos, quem tem fé não perde o caminho da fé; apenas adianta-se cada vez mais nele, pois a sua fé só tende a aumentar com o aumento das provações que a fé acomoda e enfrenta.

A fé salva-nos. Não é mentira nenhuma; e, porquanto tenhamos ainda fé, seja no Senhor Santo Cristo dos Milagres, no Sport Lisboa e Benfica, ou no Amor, o importante é que não percamos, de facto, essa luz nas nossas vidas, e que sejamos sempre fiéis a ela, independentemente do seu vértice de importância. A fé ocupa um espaço, um espaço intransmissível e inexorável. Que reconheçamos a sua importância nos dias, na pesada herança das noites, e que possamos, enfim, acomodar-nos com a sua esperança, com a sua alegria e com a sua luz.

O que é que o 25 de Abril de 1974 e o meu avô têm em comum?

Júlio Tavares Oliveira
Escritor

O que é que o dia 25 de Abril de 1974 e o meu avô António Tavares têm em comum? Muito pouco, na verdade, quase nada. Na verdade, até ao 25 de Abril de 1974, nada havia de especial entre esses dois binómios – data e nome -, avô e tempo; espaço e lugar. O meu avô, em 1974, não estava em Lisboa, não era Capitão, nem derrubou – ou ajudou a derrubar o regime marcelista.

O meu avô não era, nem jamais foi, um homem revolucionário. Nem era, digo com toda a certeza, um fascista, nem era tampouco um democrata absolutamente convicto naquele tempo. O meu avô, como militar, não podia ser, senão, um simples, e humilde, militar – isso mesmo, sem outra conduta que não fosse a de cumprir ordens. O meu avô não é, nunca foi, uma peça do 25 de Abril de 1974, mas foi – sim – um combatente que procurou, na sombra dos que fugiam e se refugiavam, ou buscavam outro exílio, assumir um país em guerra consigo mesmo e absolutamente amordaçado, com um défice de gente para combater numa guerra que era de «todos» – muitos dos quais fugiam.

Em 1974, o meu avô cumpria o desígnio de cumprir – e fazer cumprir – as ordens militares, e políticas, que lhe eram dadas pelos seus superiores hierárquicos – coisa que toda a vida fez com dedicação e elevação -, tanto para sustentar a sua família, como para viver, e ter de viver, designadamente, defendendo a sua nação numa guerra totalmente «perdida», à partida, mas nunca absolutamente abandonada à sua imensa sorte pelos que a ainda combatiam do seu suor, sangue e lágrimas em África. Alguém havia de combater, ainda que perdida, a guerra; alguém havia de existir, no terreno, de arma em riste, para defender, e honrar, a Pátria despedaçada. Um deles, um dos últimos combatentes a abandonar África num avião civil, em 1975, seria o meu avô.

No dia 25 de Abril de 1974, o meu avô não teve um cravo na mão; nem andou a marchar pelas ruas de Lisboa ao som da Liberdade. Se tinha, era a distância estonteante da sua casa, dos Açores, para se mover, e vivia, à tangente, em Angola, com a sua família, nas condições possíveis à beira de uma guerra civil. Se tinha algo na mão, com certeza não era um cravo; era a espingarda apontada aos arbustos. O meu avô, contudo, nasceu a 25 de Abril de 1940.

O 25 de Abril é um dia de celebração da Liberdade: o meu avô não participou nessa conquista; mas, hoje, é parte de uma Nação livre, que ajudou a defender, no seu tempo mais negro de sempre, e que, com orgulho imenso, devemos honrar, respeitar e valorizar. O meu avô pensa como um Homem Livre. Age como um Homem Livre. E, posso dizer, ajudou-me a ser, também, um Homem de pensamento e ação Livres. Terei sempre orgulho no homem que me fez ter noção das responsabilidades mais duras. Da vida. Da importância do combate; que me educou e reeduca constantemente num sentido de pura orientação cívica e social. Um homem que – com stress pós-traumático, pesadelos imensos e traumas de guerra – conseguiu convencer o neto de que toda a guerra, tendo participado nela, é um crime contra a Humanidade.