Log in

Greve dos Jornalistas: há um mês gritaram os que dão voz a toda a sociedade

Mais de 70 pessoas, entre jornalistas e apoiantes, estiveram em concentração em Ponta Delgada, no dia da greve geral dos jornalistas que registou uma adesão, na região, de 42 por cento. Quiseram chamar à atenção para a deterioração das condições de trabalho da classe profissional. O Diário da Lagoa esteve a ouvir alguns jornalistas

No dia 14 de março concentraram-se mais de 70 pessoas, entre jornalistas e apoiantes, no Jardim Antero de Quental em Ponta Delgada © MARIANA ROVOREDO/ DL

“Povo, escuta, jornalistas estão na luta” e “a liberdade não se escreve sem jornalistas” foram algumas das frases que se “gritavam” na concentração, no Jardim Antero de Quental, em Ponta Delgada, em dia de greve geral dos jornalistas: a única nos últimos 40 anos. Na cidade açoriana, 14 de março foi um dia de sol, o que por sua vez contrasta com a “névoa” que paira sobre o setor do jornalismo.

Jornalistas e apoiantes apelavam à atenção da sociedade civil para os baixos salários, precariedade, sobrecarga laboral, horas extraordinárias não remuneradas, entre tantos outros problemas que afetam a classe. De acordo com o sindicato, a crise no jornalismo é um problema de toda a sociedade.

O Diário da Lagoa (DL) esteve a ouvir e a dar voz aos jornalistas presentes na concentração para conhecer os seus problemas e reivindicações.

Marta Silva, presidente da Direção Regional dos Açores do Sindicato dos Jornalistas que discursava na concentração, disse: “As pessoas têm de perceber que a informação só faz sentido se for de qualidade, de confiança e credível, e isso só se consegue com órgãos de comunicação fortes. O problema reside, principalmente, na questão do financiamento.”

“Não faltam razões para fazermos greve,” diz Nuno Martins Neves, que vestia uma t-shirt com um dos motes da greve: “a liberdade não se escreve sem jornalismo.” O jornalista do Açoriano Oriental explicava que “as condições do nosso trabalho têm se deteriorado nos últimos anos e agravaram-se com a inflação, em que, à conta de não termos aumentos salariais, estamos a perder poder de compra”.

O jornalista aponta ainda os casos de profissionais que recebem abaixo do salário mínimo: “temos pessoas com salários muito baixos e sei que nos outros órgãos de comunicação social (OCS) há pessoas a ganhar abaixo do salário mínimo, pessoas com vínculos laborais muito precários, falsos recibos verdes”.

Inês Linhares Dias, da Antena 1 Açores, com a mesma frase ao peito, considera por sua vez que “é preciso que as pessoas percebam que a deterioração da qualidade do jornalismo está também intimamente ligada à deterioração das condições de trabalho e laborais dos jornalistas”. A jovem jornalista defende que “damos vozes a tantas lutas, está na hora de ouvirem a nossa voz também”.

Inês Linhares Dias, que faz também parte da direção regional do Sindicato dos Jornalistas, descreve a situação de muitos profissionais do setor: “sei o que nos passa pela cabeça quando o dinheiro não estica, quando as horas se esgotam no trabalho e sobra muito pouco para o resto, quando nos deitamos na cama a pensar no trabalho e não vemos esse esforço reconhecido. Continuamos a fazer isto por paixão, mas é preciso que seja mais do que isso. É um trabalho que já não compensa há muitos anos, mas é preciso reverter isso”, considera.

Precários, sobrecarregados e mal pagos

Marta Silva (à esq.) é presidente da Direção Regional dos Açores do Sindicato dos Jornalistas © MARIANA ROVOREDO/ DL

À conjuntura dos baixos salários, acrescentam-se as redações depauperadas, o que resulta na sobrecarga dos poucos jornalistas a exercer funções: “estamos com redações muito reduzidas para o que seria necessário para fazermos um trabalho de qualidade, de informar as pessoas,” expõe Nuno Martins Neves, que “todos os dias” se sente sobrecarregado. “Tentamos tocar muitos instrumentos e somos uma banda muito pequena, e, quando assim é, muitas vezes temos de sacrificar muitas coisas. A primeira que sai sacrificada é a família, a segunda é a nossa saúde, seja física ou mental, com as horas extra que trabalhamos e que quase nunca são recompensadas monetariamente. Portanto, claro que me sinto cansado. São situações que não matam à primeira, mas vão moendo”, lamenta o jornalista.

Também Inês Linhares Dias o sente na pele: “como sou jornalista precária, muitas vezes o que acontece é que aqueles horários que outras pessoas não querem fazer – os noturnos, os fins de semana – são os que são feitos pelos jornalistas precários, a quem não é preciso pagar horas extraordinárias e horas noturnas. Por trabalhar à peça, é muito difícil rejeitar um trabalho, sentimo-nos sobrecarregados”.

Ana Paula Santos, jornalista na Antena 1 Açores, trabalha no setor há mais de 30 anos, mas há 15 que não progride na carreira. “Isto é precariedade. Além disso, na maioria dos OCS, o pagamento de horas extraordinárias não existe, os horários são flexíveis sem que isso seja reconhecido do ponto de vista financeiro. Entre os licenciados, os jornalistas são os mais mal pagos. A cada dia que passa, a profissão está cada vez menos aliciante” denuncia, em dia de greve geral.

A profissional compara o passado e o presente do setor e refere que falta tempo para fazer um trabalho de qualidade. “Se não temos tempo para aprofundar as coisas, faz-se uma análise superficial e isso não é jornalismo. Até isto está a retroceder. Também está a retroceder a integração dos novos elementos nas redações. O jornalismo está com uma superficialidade que tem de mudar”, defende Ana Paula Santos.

Mariana Lucas Furtado, jornalista com apenas 23 anos, explica que escolheu a área porque era o que gostava de fazer, apesar de as condições não serem as mais atrativas. “Quando estava a estudar, já sabia que as condições que ia encontrar no mundo de trabalho não seriam as ideais, à partida. Mesmo assim persisti, gosto muito daquilo que faço e não me imagino a fazer outra coisa. Não é isso que está em causa. Só que é certo que trabalhamos muitas horas e não há nada que as compense, que são dedicadas à profissão, em detrimento da família, da vida pessoal e social. É essa a parte mais difícil de conjugar”, conta.

Considera que o Jornalismo é importante para a democracia?

Cláudia Capelo, 25 anos. Lagoa
Estudante Universitária

Sim considero, uma vez que o jornalismo nos traz com clareza o que se passa no mundo, seja a nível político, social, ambiental, económico, etc… O jornalismo investiga, traz a verdade e acima de tudo é fidedigno, seguindo princípios de ética para que seja dado como um bom jornalismo que vai ao encontro das perspectivas democráticas sem ir contra a mesma. É através do jornalismo que conseguimos reter informação e, não única e exclusivamente, informação que seja “conveniente” a terceiros, pois o jornalismo tende a ser independente. Muitas das informações que nos são dadas chegam através do jornalismo e, caso não fossem publicadas, certamente, não seriam públicas. Portanto, o jornalismo é uma peça fundamental para a sociedade.

André Pacheco, 23 anos. Ribeira Grande 
Gestor de Tecnologias de Informação

Considero o jornalismo, no seu conceito, importante para a democracia pela sua capacidade de manter a imparcialidade e o foco na partilha de informação correta e equilibrada. Acredito que o jornalismo é fundamental para informar o público de forma objetiva, contribuindo para um debate democrático saudável e para a tomada de decisões informadas pelos cidadãos. Vejo a imparcialidade e a objetividade como pilares centrais do jornalismo, indispensáveis para a preservação da integridade democrática.

Filipa Silveira, 21 anos. Ponta Delgada
Estudante Universitária

O jornalismo desempenha um papel fundamental no que concerne ao suporte de uma democracia. Por um lado, este torna-se um dos maiores meios de divulgação e exposição de informação, permitindo uma consciencialização da sociedade, através da partilha de factos relacionados com questões políticas, sociais e económicas. Por outro lado, contribui para o aumento da literacia nesta área ao analisar detalhadamente e transmitir assuntos complexos, fornecendo todo um contexto histórico-social abrangente. Para além disso, num contexto democrático, onde o cidadão exerce um papel ativo e é responsável por várias decisões políticas, o jornalismo não só amplia o conhecimento, como também transpõe diversas perspetivas que são essenciais para uma tomada de decisão informada e responsável. É também de realçar o papel crucial do jornalismo na promoção do envolvimento da sociedade, incluindo a promoção do direito ao voto e a diminuição da taxa de abstenção.

Diogo Ferreira, 32 anos. Vila Franca do Campo
Condutor de pesados e mercadorias

O jornalismo tem como base na sociedade dar a conhecer os acontecimentos da atualidade, na democracia, para além deste papel, representa uma forma de auxílio às escolhas de ideologias e de intenção de voto aquando de épocas eleitorais. Através do jornalismo é dado a conhecer não só os programas eleitorais mas também o que a sociedade pensa sobre os mesmos, o jornalismo é a base pura da nossa democracia e da nossa liberdade de expressão. O jornalismo é, na minha opinião, um dos fatores de maior peso na hora de escolher que rumo devemos tomar nas escolhas da nossa sociedade.