Log in

Clube de Astronomia da Secundária da Lagoa colabora em missão espacial

© CLUBE DE ASTRONOMIA DA ESCOLA SECUNDÁRIA DA LAGOA

O Clube de Astronomia, Geocaching e Multimédia da Escola Secundária da Lagoa recebeu um telescópio robótico móvel que permitirá ao clube colaborar com a missão “Ariel”, da Agência Espacial Europeia (ESA), através do projeto Exoclock.

A entrega do instrumento aconteceu aquando da visita e conferência da astronauta análoga e cientista-astronauta Ana Pires, na escola lagoense, a 8 de março.

“O objetivo da missão Ariel é o estudo da atmosfera dos exoplanetas para caracterizá-los e descobrir quais são os que tem mais interesse para o nosso futuro,” explicava na ocasião Luís Filipe Machado, coordenador do Clube.

O telescópio permitirá realizar observações astronómicas dos exoplanetas, que poderão abrigar vida, por serem semelhantes à Terra. Os dados recolhidos são depois cedidos à ESA.

Esta missão inclui ainda a construção de uma nave, que deverá ser lançada em 2029, revelou Luís Machado.

A aquisição do telescópio contou com o apoio da Câmara Municipal da Lagoa, da Anacom, do grupo Bensaúde e da Finançor.

O Clube de Astronomia, Geocaching e Multimédia da Escola Secundária da Lagoa é uma das 60 entidades não-governamentais que fazem parte da missão espacial da ESA.

Viagem de tartaruga-verde dos Açores ao continente português é “caso de estudo especial para a ciência”

emilia 2023 OKEANOS
© OKEANOS-UAç

Investigadores da Universidade dos Açores têm estado a acompanhar a viagem de uma tartaruga-verde juvenil desde os Açores até à costa continental portuguesa. Este é um comportamento nunca antes registado, despertando a atenção dos cientistas, segundo nota de imprensa do OKEANOS-UAç.

A pequena tartaruga de 38 centímetros, chamada “Emília,” percorreu mais de 3.500 quilómetros em 210 dias, observaram os investigadores. Depois de libertada junto à costa açoriana, no Faial, Emília deu início a uma longa viagem, cruzando o Atlântico até à Galiza, descendo depois em direção a Peniche (onde permaneceu 15 dias, na zona da Praia do Baleal), continuando o seu rumo para sul.

O réptil foi marcado com uma marca satélite, presa na sua carapaça, em agosto de 2023 pela equipa COSTA (COnsolidating Sea Turtle Conservation in the Azores), do Okeanos – Instituto de Investigação em Ciências do Mar, encontrando-se neste momento a sul de Portugal continental. A marca permite recolher a posição geográfica, o tempo à superfície, e a temperatura da água.

À semelhança de outras espécies, a tartaruga-verde tem uma longa vida e percorre extensas distâncias entre a praia onde nasce e a sua área de alimentação. Atualmente, é considerada uma espécie ameaçada na lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).

“O avistamento de tartarugas-verdes em território português é pouco comum, tratando-se de animais com habitat tropical ou subtropical. Sabe-se ainda que as tartarugas-verdes tendem a explorar as zonas costeiras durante a fase juvenil, onde se alimentam de algas e pequenos invertebrados, no entanto os seus padrões de migração no Oceano Atlântico continuam a ser algo que desconhecemos”, conta Frederic Vandeperre, investigador principal da equipa COSTA, em nota de imprensa.

Por sua vez, Mafalda Sousa, investigadora da equipa COSTA, refere que “esta é a primeira vez que uma tartaruga verde é seguida desde o Arquipélago dos Açores até à costa continental portuguesa”, sendo um caso de estudo especial para a ciência.”

Os investigadores consideram que a viagem da Emília continua a ser um mistério, “podendo ou não rumar às águas mais quentes do Mediterrâneo nos próximos dias.”

O percurso deste animal pode ser acompanhado em tempo real através do site do projeto COSTA.