Log in

Detidos dois suspeitos por tráfico droga em Santa Cruz da Lagoa

© DL

Foram detidos dois homens, com 33 e 38 anos, fortemente indiciados da prática do crime de tráfico de droga, na freguesia de Santa Cruz, na Lagoa, ilha de São Miguel.

Segundo nota de imprensa enviada pelo Comando regional da PSP dos Açores, o relato de várias denúncias anónimas que apontavam para um suposto cenário de tráfico de droga com centro de operações numa zona urbana localizada em Santa Cruz, permitiram desencadear uma operação policial.

A PSP diz que foi possível apurar que o arguido mais novo, de modo a dificultar a intervenção policial, previamente combinava com os consumidores um ponto de encontro situado num local ermo e fora do fluxo normal de trânsito. Nesse local procedia à venda direta de droga sintética, sendo, que a polícia refere, ainda, que recolheu provas que vieram a fortalecer as suspeitas que o arguido distribuía a outros traficantes de menor dimensão, doses de droga sintética para posterior venda.

Foi, assim, desencadeada uma operação policial que veio a permitir intercetar o arguido no exato momento em que procedia à venda de uma dose individual de droga sintética a um consumidor.

Seguidamente, terão sido executadas uma busca domiciliária e outra não domiciliária, as quais vieram a permitir surpreender e deter o arguido mais velho, no exato instante, em que se encontrava na posse de substâncias ilícitas e outros objetos relacionados com o crime sob investigação. Foram apreendidas quantias monetárias suspeitas, aproximadamente 20 doses de haxixe em condições de serem transacionadas, panorama que levou à detenção de ambos os arguidos.

Após terem sido presentes a interrogatório judicial perante o Juiz de Instrução Criminal de Ponta Delgada aguardarão as restantes fases do processo com as medidas de coação de termo de identidade e residência, apresentações periódicas obrigatórias perante as autoridades e proibição de contactos com toxicodependentes.

PSP de Vila Franca recupera material no valor de 15 mil euros

© D.R.

Os polícias da esquadra de Vila Franca do Campo, na ilha de São Miguel, no âmbito de uma investigação pela prática do crime de furto qualificado, recuperaram e apreenderam cerca de 15 mil euros em material, após a realização de buscas domiciliárias realizadas no passado dia 20 de março.

Os referidos polícias, ao terem notícia do furto, realizaram de imediato as diligências necessárias para localizar os itens furtados e o respetivo infrator. Em tempo útil foi possível recuperar vários objetos, entre eles, dois caiaques, uma minimoto, uma tenda de campismo, fatos de mergulho e equipamentos de caça submarina, várias colunas do som de grandes dimensões, câmaras fotografias e respetivas lentes, acessórios de construção e equipamento industrial, entre outros.

Posteriormente, foram constituídos arguidos dois indivíduos, de 30 e de 44 anos, residentes na freguesia da Ribeira das Tainhas, do concelho de Vila Franca do Campo, pela prática dos crimes de furto qualificado e de recetação.

Em comunicado enviado às redações, o comando regional da PSP dos Açores apela a todos os cidadãos para que situações idênticas sejam imediatamente reportadas, por forma a que, através de um célere acionamento dos meios policiais adequados, seja possível concretizar uma atuação eficaz, com vista a prevenir a consumação do ilícito, a recuperação de bens patrimoniais e, bem ainda, a identificação e responsabilização do(s) autor(es) deste tipo de crimes.

Detido jovem suspeito de assaltar casa na freguesia de Nossa Senhora do Rosário

© DL

Foi detido, em flagrante delito, um jovem de 19 anos, suspeito de assaltar uma casa na freguesia de Nossa Senhora do Rosário, na Lagoa, ilha de São Miguel.

De acordo com comunicado do comando regional da PSP dos Açores, no passado dia 20 de março, quando o proprietário se encontrava no interior da sua moradia, acompanhado da sua filha — numa rua próxima da esquadra da Lagoa —, viu um homem de cara tapada no interior da sua casa. O suspeito, ao ser surpreendido pela vítima, terá coagido com o recurso a um objeto pontiagudo exigindo dinheiro. A vítima, temendo pela sua integridade física e de sua filha, terá implorado junto do suspeito para não lhes fazerem mal, sugerindo que poderiam passar na caixa Multibanco mais próxima para, desta forma, levantar o dinheiro que o suspeito exigia. 

A vítima, acompanhada pelo suspeito, quando se dirigia à caixa Multibanco, fez o percurso de forma a passar junto à esquadra da PSP da Lagoa, onde parou e pediu ajuda. Segundo a PSP, os agentes da esquadra foram atrás do suspeito que já se encontrava em fuga, acabando por o deter.

Foram feitas outras diligências, no imediato, que culminaram na apreensão de artefactos utilizados pelo suspeito para a concretização do crime e, ainda, foi possível descortinar que o mesmo havia se introduzido no interior da moradia pelo método de arrombamento de uma janela seguido de escalamento.

De acordo com o comando regional, o suspeito é toxicodependente e após ter sido presente a primeiro interrogatório judicial, fica obrigado à medida de coação de apresentações periódicas e obrigação de se inscrever numa clínica para o tratamento da toxicodependência.

Prisão preventiva para suspeito de roubo nas Calhetas

© DL

Foi detido um indivíduo, de 22 anos, suspeito do roubo de artigos de relojoaria e joalharia, em interior de uma residência, na freguesia das Calhetas, no concelho da Ribeira Grande, no passado dia 8 de março, anunciou hoje o Comando regional da PSP dos Açores.

De acordo com comunicado enviado às redações pelo Comando regional, após notícia do crime de furto a decorrer, “os polícias deslocaram-se de imediato para o local da ocorrência, onde o suspeito já havia abandonado a habitação que acabara de furtar, colocando-se em fuga”, mas o suspeito foi intercetado por “vários populares”, tendo sido “entregue posteriormente à PSP.”

Segundo a PSP, foram recuperados três relógios e 14 peças de joalharia como brincos, pulseiras, anéis e colares, num valor total que ascende os 10.000 euros.

Após ter sido presente a primeiro interrogatório judicial, foi aplicada ao suspeito a medida de coação mais gravosa, a prisão preventiva.

A força policial refere, ainda, que em situações idênticas os cidadãos devem reportar imediatamente, “por forma a que, através de um célere acionamento dos meios policiais adequados, seja possível concretizar uma atuação cabal e eficaz, com vista a prevenir a consumação do ilícito, a recuperação de bens patrimoniais e, bem ainda, a identificação e responsabilização do(s) autor(es) deste tipo de crimes.”