Log in

SPEA Açores organiza visita à Mata dos Bispos

Com transporte gratuito a partir de Ponta Delgada, participantes vão poder caminhar no interior da floresta laurissilva restaurada. Será explicado como é desenvolvido um projeto de conservação da natureza, os seus desafios e benefícios

© SPEA

A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA Açores) vai promover, no próximo dia 25 de maio, uma visita guiada à Mata dos Bispos, na Povoação, zona que está a ser alvo de restauro ecológico.

Segundo comunicado da SPEA Açores, a iniciativa está inserida na atividade “Restaurar a Laurissilva” para comemorar o Dia Europeu da Rede Natura 2000 e o Dia Internacional da Biodiversidade.

A visita conta com transporte gratuito de Ponta Delgada até à Mata dos Bispos, localizada na costa sul de São Miguel, na Povoação. A atividade é gratuita, mas é obrigatório efetuar a inscrição, no website do Centro Ambiental do Priolo.

Os participantes vão ter a oportunidade de caminhar no interior de uma mancha de floresta Laurissilva restaurada, onde também lhes será explicado como é desenvolvido um projeto de conservação da natureza, os seus desafios e benefícios.

Como explica a mesma nota, a Mata dos Bispos, a exemplo de outras áreas intervencionadas pela SPEA, tem sido objeto de estudos e restauro ecológico de diferentes habitats da floresta Laurissilva (floresta nativa dos Açores e habitat prioritário para o Priolo), no âmbito dos projetos LIFE Laurissilva (2009-2013), LIFE Terras do Priolo (2014 a 2019) e, mais recentemente, LIFE IP Azores Natura (2019-2027).

“Os mais de 10 anos de trabalho nesta área fazem dela um excelente laboratório para observar diferentes técnicas e resultados do restauro ecológico levadas a cabo, como por exemplo, técnicas de engenharia natural. É a melhor forma de demonstrar que a conservação de áreas com estas características é possível”, afirma Rui Botelho, coordenador da SPEA nos Açores, citado no comunicado.

O ponto de encontro da atividade está marcado para as 8h45 na Escola Secundária Domingos Rebelo e o transporte acontece de autocarro até ao local da atividade. Na zona da Mata dos Bispos, será realizada uma caminhada de aproximadamente seis quilómetros para observar as diferentes áreas restauradas.

Devido à sua localização e caraterísticas, a Mata dos Bispos é fundamental para o abastecimento de água da Povoação, sendo o restauro dos habitats existentes nesta área importantes também para garantir a disponibilidade de água e a regulação hídrica evitando enchentes durante períodos de chuva torrencial.

Plantados 152 hectares de floresta nos Açores

© D.R.

No passado mês de abril, terminou a época de plantação de espaços florestais 2023-2024, tendo sido plantados um total de 152 hectares em áreas públicas e privadas de floresta de produção e de floresta de proteção, segundo comunicado do secretário regional da Agricultura e Alimentação, António Ventura.

Relativamente às florestas de produção, foram plantados cerca de 57 hectares de floresta de produção nas áreas privadas e 31 hectares nas áreas públicas, maioritariamente com espécies resinosas, lê-se, ainda, na nota.

No que diz respeito às florestas de proteção, foram plantados cerca de 44 hectares em áreas privadas e 20 hectares em áreas públicas, principalmente com espécies endémicas, autóctones e folhosas.

Citado no mesmo comunicado, o responsável pela pasta das florestas relembrou que este tipo de florestação “protege nascentes, controla a erosão do solo e garante a estabilidade de encostas”, sendo que “as políticas de proteção e fiscalização dos recursos florestais são implementadas para preservar esses importantes ecossistemas, combatendo a desflorestação e promovendo a recuperação de áreas degradadas”.

“Estas plantas foram produzidas nos viveiros dos Serviços Florestais, em virtude do investimento que tem sido realizado nos últimos anos para se aumentar a produção de espécies como o Louro, o Pau branco , o Cedro do mato, o Azevinho, a Faia da terra, a Uva da serra, a Ginga do mato, a Urze, o Sanguinho e o Folhado”, refere o governante.

O Secretário Regional diz ainda que com o encerramento da época de plantação, o trabalho que se segue “é monitorizar o crescimento das plantas e implementar medidas de gestão para garantir o sucesso das florestas, nomeadamente executar as limpezas necessárias para se combater as espécies invasoras de rápido crescimento, que pela sua sombra causam muita mortalidade nas jovens plantações”.

“Para se garantir o sucesso da época de plantação que agora terminou será necessário novo investimento em limpezas, a realizar na próxima época estival ou início do outono, consoante as condições do terreno e das plantas”, conclui.