Log in

Nordeste berço do projeto-piloto “Escola de negócios”

© SRJQPE
pub

O Governo dos Açores, através da Secretaria Regional da Juventude, Qualificação Profissional e Emprego, acaba de criar a “Escola de negócios” para apoiar o empreendedorismo, a criação do próprio emprego e o desenvolvimento do tecido empresarial local através da criação de micro e pequenas empresas.

Esta nova medida destina-se a desempregados com escolaridade obrigatória ou, no mínimo, o nono ano de escolaridade, a recém-diplomados (com o nível igual ou superior ao nível IV) e a estagiários que tenham concluído o estágio há menos de seis meses, sendo atribuída aos participantes uma bolsa de formação mensal no valor correspondente ao indexante dos apoios sociais, explicou Maria João Carreiro.

De acordo com a secretária regional da Juventude, Qualificação Profissional e Emprego, esta nova medida, promovida pela Direção Regional de Qualificação Profissional e Emprego, vai arrancar até ao final de 2023 com um projeto-piloto nos concelhos do Nordeste, em São Miguel, e da Praia da Vitória, na ilha Terceira.

A “Escola de negócios” é estruturada em três fases. Na primeira (ideia de negócio), o objetivo é capacitar os participantes em áreas essenciais ao empreendedorismo e à abertura de um negócio, através de formação específica e à medida, sessões de brainstorming com empresas já estabelecidas no mercado, diagnóstico de necessidades locais e elaboração de uma ideia de negócio a apresentar a um júri que vai integrar, entre outros, um membro da comunidade local.

Na segunda fase (projeto de negócio), os participantes serão desafiados a elaborar um plano de negócio que apresente viabilidade económica e financeira e que seja suscetível de criar o próprio emprego do participante.

Na terceira e última fase (abertura do negócio) é atribuído um apoio financeiro às micro e pequenas empresas que, tendo sido implementadas na sequência das fases anteriores, tenham iniciado a sua atividade e gerado a criação do próprio emprego do participante. Este apoio corresponde a dezoito vezes a retribuição mínima mensal garantida na região e é cumulável com outros apoios ao investimento.

Os leitores são a força do nosso jornal

Subscreva, participe e apoie o Diário da Lagoa. Ao valorizar o nosso trabalho está a ajudar-nos a marcar a diferença, através do jornalismo de proximidade. Assim levamos até si as notícias que contam.