Log in

Greve dos Jornalistas: há um mês gritaram os que dão voz a toda a sociedade

Mais de 70 pessoas, entre jornalistas e apoiantes, estiveram em concentração em Ponta Delgada, no dia da greve geral dos jornalistas que registou uma adesão, na região, de 42 por cento. Quiseram chamar à atenção para a deterioração das condições de trabalho da classe profissional. O Diário da Lagoa esteve a ouvir alguns jornalistas

No dia 14 de março concentraram-se mais de 70 pessoas, entre jornalistas e apoiantes, no Jardim Antero de Quental em Ponta Delgada © MARIANA ROVOREDO/ DL

“Povo, escuta, jornalistas estão na luta” e “a liberdade não se escreve sem jornalistas” foram algumas das frases que se “gritavam” na concentração, no Jardim Antero de Quental, em Ponta Delgada, em dia de greve geral dos jornalistas: a única nos últimos 40 anos. Na cidade açoriana, 14 de março foi um dia de sol, o que por sua vez contrasta com a “névoa” que paira sobre o setor do jornalismo.

Jornalistas e apoiantes apelavam à atenção da sociedade civil para os baixos salários, precariedade, sobrecarga laboral, horas extraordinárias não remuneradas, entre tantos outros problemas que afetam a classe. De acordo com o sindicato, a crise no jornalismo é um problema de toda a sociedade.

O Diário da Lagoa (DL) esteve a ouvir e a dar voz aos jornalistas presentes na concentração para conhecer os seus problemas e reivindicações.

Marta Silva, presidente da Direção Regional dos Açores do Sindicato dos Jornalistas que discursava na concentração, disse: “As pessoas têm de perceber que a informação só faz sentido se for de qualidade, de confiança e credível, e isso só se consegue com órgãos de comunicação fortes. O problema reside, principalmente, na questão do financiamento.”

“Não faltam razões para fazermos greve,” diz Nuno Martins Neves, que vestia uma t-shirt com um dos motes da greve: “a liberdade não se escreve sem jornalismo.” O jornalista do Açoriano Oriental explicava que “as condições do nosso trabalho têm se deteriorado nos últimos anos e agravaram-se com a inflação, em que, à conta de não termos aumentos salariais, estamos a perder poder de compra”.

O jornalista aponta ainda os casos de profissionais que recebem abaixo do salário mínimo: “temos pessoas com salários muito baixos e sei que nos outros órgãos de comunicação social (OCS) há pessoas a ganhar abaixo do salário mínimo, pessoas com vínculos laborais muito precários, falsos recibos verdes”.

Inês Linhares Dias, da Antena 1 Açores, com a mesma frase ao peito, considera por sua vez que “é preciso que as pessoas percebam que a deterioração da qualidade do jornalismo está também intimamente ligada à deterioração das condições de trabalho e laborais dos jornalistas”. A jovem jornalista defende que “damos vozes a tantas lutas, está na hora de ouvirem a nossa voz também”.

Inês Linhares Dias, que faz também parte da direção regional do Sindicato dos Jornalistas, descreve a situação de muitos profissionais do setor: “sei o que nos passa pela cabeça quando o dinheiro não estica, quando as horas se esgotam no trabalho e sobra muito pouco para o resto, quando nos deitamos na cama a pensar no trabalho e não vemos esse esforço reconhecido. Continuamos a fazer isto por paixão, mas é preciso que seja mais do que isso. É um trabalho que já não compensa há muitos anos, mas é preciso reverter isso”, considera.

Precários, sobrecarregados e mal pagos

Marta Silva (à esq.) é presidente da Direção Regional dos Açores do Sindicato dos Jornalistas © MARIANA ROVOREDO/ DL

À conjuntura dos baixos salários, acrescentam-se as redações depauperadas, o que resulta na sobrecarga dos poucos jornalistas a exercer funções: “estamos com redações muito reduzidas para o que seria necessário para fazermos um trabalho de qualidade, de informar as pessoas,” expõe Nuno Martins Neves, que “todos os dias” se sente sobrecarregado. “Tentamos tocar muitos instrumentos e somos uma banda muito pequena, e, quando assim é, muitas vezes temos de sacrificar muitas coisas. A primeira que sai sacrificada é a família, a segunda é a nossa saúde, seja física ou mental, com as horas extra que trabalhamos e que quase nunca são recompensadas monetariamente. Portanto, claro que me sinto cansado. São situações que não matam à primeira, mas vão moendo”, lamenta o jornalista.

Também Inês Linhares Dias o sente na pele: “como sou jornalista precária, muitas vezes o que acontece é que aqueles horários que outras pessoas não querem fazer – os noturnos, os fins de semana – são os que são feitos pelos jornalistas precários, a quem não é preciso pagar horas extraordinárias e horas noturnas. Por trabalhar à peça, é muito difícil rejeitar um trabalho, sentimo-nos sobrecarregados”.

Ana Paula Santos, jornalista na Antena 1 Açores, trabalha no setor há mais de 30 anos, mas há 15 que não progride na carreira. “Isto é precariedade. Além disso, na maioria dos OCS, o pagamento de horas extraordinárias não existe, os horários são flexíveis sem que isso seja reconhecido do ponto de vista financeiro. Entre os licenciados, os jornalistas são os mais mal pagos. A cada dia que passa, a profissão está cada vez menos aliciante” denuncia, em dia de greve geral.

A profissional compara o passado e o presente do setor e refere que falta tempo para fazer um trabalho de qualidade. “Se não temos tempo para aprofundar as coisas, faz-se uma análise superficial e isso não é jornalismo. Até isto está a retroceder. Também está a retroceder a integração dos novos elementos nas redações. O jornalismo está com uma superficialidade que tem de mudar”, defende Ana Paula Santos.

Mariana Lucas Furtado, jornalista com apenas 23 anos, explica que escolheu a área porque era o que gostava de fazer, apesar de as condições não serem as mais atrativas. “Quando estava a estudar, já sabia que as condições que ia encontrar no mundo de trabalho não seriam as ideais, à partida. Mesmo assim persisti, gosto muito daquilo que faço e não me imagino a fazer outra coisa. Não é isso que está em causa. Só que é certo que trabalhamos muitas horas e não há nada que as compense, que são dedicadas à profissão, em detrimento da família, da vida pessoal e social. É essa a parte mais difícil de conjugar”, conta.

A adesão à greve nos Açores superou as expectativas. Para a concentração no Jardim Antero de Quental,
havia a esperança que aparecessem pelo menos uma dezena de pessoas, mas mais de 70, incluindo jornalistas e apoiantes, juntaram-se ao protesto.

A classe reivindica aumentos salariais em 2024 superiores à inflação acumulada desde 2022; a garantia de um salário digno à entrada na profissão e de progressão regular na carreira; o pagamento de complementos por penosidade, por trabalho por turnos e isenção de horário; a remuneração por horas extraordinárias, trabalho noturno, e em fins de semana e feriados; o fim da precariedade generalizada e fraudulenta no sector; o cumprimento escrupuloso das leis do Código de Trabalho e do Contrato Coletivo de Trabalho; condições humanas e materiais para a produção noticiosa; a revisão das estruturas regulatórias da comunicação social e do jornalismo e a
intervenção do Estado na garantia da sustentabilidade financeira do jornalismo

 

avatar-custom

Mariana RovoredoJornalista estagiária

Os leitores são a força do nosso jornal

Subscreva, participe e apoie o Diário da Lagoa. Ao valorizar o nosso trabalho está a ajudar-nos a marcar a diferença, através do jornalismo de proximidade. Assim levamos até si as notícias que contam.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CAPTCHA ImageChange Image