Como fortalecer a imunidade?

Foto: DR

Como se preparar e se proteger contra infeções ou outras doenças atualmente existentes? Uma alimentação equilibrada, ingestão de água e atividades físicas moderadas, entre outros hábitos para uma vida saudável, também ajudam a enfrentar o vírus. Fortalecer o sistema imunitário não impede um contágio nem cura uma doença magicamente. Mas ajuda-o a estar pronto para enfrentar uma enfermidade. A maneira de manter o sistema e o corpo com um desempenho otimizado é alimentar-se corretamente, beber bastante água e praticar exercício físico. Estas práticas estimulam o funcionamento do sistema imunitário e de outros sistemas do corpo. Por outro lado, é preciso dar uma pausa na atividade física durante infeções com quadros de mal-estar e febre, pois é importante deixar todas as reservas de energia do corpo para que as células do sistema imunitário funcionem no seu potencial máximo.

Para favorecer a atuação do sistema imunitário, não podem faltar na dieta, frutas ricas em antioxidantes: o limão e a laranja contam com grande quantidade de vitamina C, assim como a anona, a papaia e a tangerina, as frutas vermelhas, como o morango, a amora, o mirtilo, a groselha ou as bagas de goji. Quaisquer destas opções encontram-se disponíveis no mercado sob a forma fresca, congelada ou desidratada (bagas de goji). De acordo com o sistema de recomendações nutricionais da Academia Nacional de Medicina dos Estados Unidos, o Dietary Reference Intakes (DRI), são indicados, nessa ordem, 90 mg e 75 mg de vitamina C diários para homens e mulheres. Essa dosagem corresponde a dois limões ou uma laranja por dia. Contudo, estudos demonstram que o consumo de 200 mg/dia a, no máximo, 500 mg/dia pode promover benefícios para o funcionamento do sistema imunitário e auxiliar na prevenção de infeções, principalmente aquelas respiratórias. Contudo, para a correta absorção de vitamina C, e garantir a sua utilidade no organismo, é crucial o consumo de alimentos ricos em ferro, como os vegetais verde-escuros.

Em relação aos hortícolas e aos cereais integrais, além de contarem com uma variedade de nutrientes e vitaminas do complexo B, são fontes de fibra, colaborando para uma microbiota intestinal saudável. Lembre-se que somos o que comemos e o que absorvemos. Daí a importância de um intestino funcional, estimulado por alimentos integrais, fibra e uma grande ingestão de água. Só assim garantimos que os nutrientes ingeridos, sejam também absorvidos e então disponibilizados ao corpo. Peixes de águas profundas como o salmão e a sardinha, por exemplo, são ricos em ómega 3 e ácidos gordos insaturados, que também contam com ação anti-inflamatória e auxiliam no equilíbrio do sistema imunitário. No contexto de uma vida saudável, sem quadros de imunodeficiências genéticas, o sistema imunitário está preparado para enfrentar os desafios de infeções. Porém, o estilo de vida ocidental moderno, marcado pelo sedentarismo, stresse, alimentação e sono inadequados, debilitam o organismo.

Em relação à alimentação, é preciso fugir dos produtos industrializados, processados ou pré-cozinhados, constituintes da chamada dieta ocidental, composta de alimentos com um perfil pró-inflamatório. Privilegie uma alimentação variada e o mais natural possível, da horta ao prato, a sua melhor defesa.

A Sua Saúde Sempre,

Catarina Rola, Nutricionista

(Artigo publicado na edição digital de abril de 2020)

Categorias: Saúde

Deixe o seu comentário