BE/Açores quer acesso a relatório sobre ataque informático a Hospital de Ponta Delgada

© DL

O BE/Açores considerou esta quinta-feira, 11 de novembro, “fundamental” ter acesso ao relatório sobre o sistema informático do Hospital Divino Espírito Santo (HDES), em Ponta Delgada, produzido na sequência de um ataque informático àquela unidade.

Em nota de imprensa, o partido avança que solicitou o documento através de um requerimento entregue na Assembleia Regional, salientando que, segundo o ex-responsável pela informática do hospital, “o alerta de execução de eventual ferramenta maliciosa em máquinas do HDES foi detetado no dia 16 de junho” e “o problema deixou de existir no dia 19 de junho, cinco dias antes do corte de comunicações”.

O BE, que tem dois deputados no parlamento açoriano, refere ainda que o anterior diretor de informática do HDES já veio a público dizer que a “decisão de desligar as comunicações do hospital sem avisar os diretores” dos diversos serviços “colocou vidas humanas em risco”.

“O BE considera importante que o relatório produzido pela Microsoft no seguimento deste trabalho de análise seja entregue pelo Governo ao parlamento antes de 29 de novembro, dia para o qual estão agendadas audições de várias entidades (…) sobre vários problemas que envolvem o hospital”, conclui o Bloco.

Para os bloquistas, “o relatório produzido pela Microsoft ao sistema informático do Hospital de Ponta Delgada, após a tentativa de ataque informático, é fundamental para ter mais informação sobre as consequências deste acontecimento”.

O partido diz querer conhecer o documento para “analisar as decisões e as responsabilidades perante o corte total de comunicações do hospital” de Ponta Delgada.

A 24 de junho, o Governo dos Açores informou ter sido detetada “uma tentativa de intrusão externa no sistema informático” do Hospital Divino Espírito Santo (HDES), em Ponta Delgada, pelo que foi acionado um plano de contingência.

A 28 de junho, o secretário da Saúde do Governo dos Açores, Clélio Meneses, reconheceu ter existido atrasos na divulgação dos testes negativos à covid-19 na região devido ao ciberataque ao Hospital Divino Espírito Santo (HDES), em Ponta Delgada.

A 21 de julho, o BE requereu, no parlamento regional, audições da presidente do conselho de administração do Hospital de Ponta Delgada e secretário regional da Saúde para esclarecer “todos os graves problemas” na maior unidade de saúde dos Açores.

A 15 de agosto, em entrevista à RTP/Açores, o ex-diretor de informática do HDES, Ricardo Cabral, manifestou intenção de processar a administração do hospital por, alegadamente, ter sido despedido sem justificação.

Lusa/ DL

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário