Avelino Meneses anuncia novas matrizes curriculares

O Secretário Regional da Educação e Cultura anunciou que, em breve, vão ser nos Açores submetidas à aprovação as novas matrizes curriculares da educação pré-escolar e dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico.

Avelino Meneses adiantou que ”as novas” matrizes se “alicerçam em quatro âncoras essenciais”.

Essas “âncoras” são o projeto de autonomia e flexibilidade curricular, que “inclui princípios já evidentes no ProSucesso”, o perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória, para que “corresponda às carências da sociedade”, as aprendizagens essenciais, para que “dos programas muitas vezes longos nunca falte o fundamental”, e a estratégia nacional de educação para a cidadania, adiantou.

Para o titular da educação, as novas matrizes curriculares possuem “ainda objetivos capitais”, nomeadamente a adequação dos novos currículos “às novas tendências da pedagogia que obriguem à revisão dos métodos” e a concessão de maior autonomia às escolas na gestão do tempo e na flexibilização do currículo para que “melhor se acomode às realidades bem diferenciadas dos nossos ambientes escolares”.

Avelino Meneses referiu, ainda, como objetivos a aproximação ao currículo nacional, que se justifica pela “uniformidade” da avaliação externa no continente e nas regiões autónomas, e a conservação de “referências regionais e locais” que contribuam para “a fixação e para a perpetuação de uma identidade própria”.

Como “novidades”, o Secretário Regional da Educação e Cultura avançou que a aprendizagem do inglês, que permanece obrigatório em todo o 1º ciclo, passará “a ser considerado para efeitos de transição de ano”, assim como a “recriação” da disciplina de cidadania, que será denominada de “cidadania e desenvolvimento”, em obediência a referenciais próprios que “impeçam a sua transformação em espaço de docência indistinta”.

A introdução das novas tecnologias da informação e da comunicação, de modo transversal no 1º ciclo e como disciplina própria nos 2º e 3º ciclos, e a opção por diversas formas de ensino da história, da geografia e da cultura dos Açores nos 2º e 3º ciclos, de “modo transversal ou como disciplina própria mas sempre sujeita a uma avaliação qualitativa não considerada para efeitos de progressão”, foram igualmente avançadas como “novidades” por Avelino Meneses.

Na sua intervenção o Secretário Regional da Educação e Cultura sublinhou, por outro lado, o esforço de investimento do governo ao nível das instalações que, apesar de “não constituírem a essência das instituições, facilitam no entanto a ação pedagógica”. Neste âmbito, referiu, a Escola Secundária Vitorino Nemésio recebeu, nos últimos quatro anos, cerca de meio milhão de euros em obras de manutenção e reparação.

DL/Gacs

 

Categorias: Educação, Regional

Deixe o seu comentário