Filarmónica Lira do Rosário completa 100 anos

Overview

Livro que assinala o aniversário foi escrito pela musicóloga Ana Gaito e faz uma retrospectiva do que foi e como é a Lira do Rosário

(Foto: DR)
Atualmente os músicos não se juntam para ensaios ou serviços devido à pandemia

Os 100 anos de qualquer instituição seriam motivo mais do que suficiente para uma comemoração memorável. Contudo, e por causa da pandemia, não foi assim. O dia 20 de abril de 2020 não teve qualquer tipo de comemoração nem os músicos da Lira do Rosário se podem sequer reunir para os ensaios. Ainda assim a data, apesar de não ter sido oficialmente assinalada, não passou em branco. O livro “Lira do Rosário, cem anos de História” foi escrito por Ana Gaito e percorre a vida e o percurso da filarmónica. “Durante dois anos fui fazendo recolha, trabalho de campo, acompanhei a filarmónica porque o meu marido é o maestro e os meus filhos também participam na banda”, explica a autora do livro que é musicóloga e professora de História e Cultura das Artes no Conservatório Regional de Ponta Delgada. Ana Gaito explica que o seu trabalho é “absolutamente autónomo e independente de qualquer universidade ou centro de estudo” e foi feito “em absoluta voluntariedade e amizade à filarmónica”.

Lira do Rosário conta com 30 elementos sendo a maioria jovens

A professora diz que escreveu a obra tendo por base “atas e alguns documentos escritos da própria filarmónica que apoiaram a confirmação de alguns factos e dados”. Recorreu a várias fotografias e ainda a “alguns membros, ativos e inativos da filarmónica que pudessem dar o seu contributo oral sobre alguns acontecimentos, situações ou momentos históricos”. A autora destaca a capacidade de quem compõe a Lira do Rosário de “assumir um compromisso por amor à camisola, cumprindo ensaios e serviços, sem serem remunerados, sendo alguns dos músicos bastante jovens”. Com cerca de 30 elementos, entre os 14 e os 40 anos, a Lira do Rosário foi fundada pelo Padre João Furtado Pacheco e Luís Soares Macedo em 1920. O Presidente, Paulo Cordeiro lamenta que não tenha sido possível comemorar o completar de um século: “tivemos de cancelar tudo o que tínhamos previsto, uma missa, um desfile e mini­-concerto no Rosário”. Apesar do lançamento da obra comemorativa do centésimo aniversário não se ter realizado, como previsto, Paulo Cordeiro conta fazê-­lo numa cerimónia a realizar-­se este ano mas, ainda sem data marcada. Sobre a Filarmónica, o Paulo Cordeiro diz que atrair novos membros é o mais difícil: “todos os anos abrimos a escola de música, aparecem cinco ou seis mas chegamos ao fim com dois ou três”, lamenta. O Presidente diz que “como também há filarmónicas com dificuldades que começam a oferecer dinheiro para fazer serviços, as pessoas talvez por necessidade acabam por ir para essas”. Duarte Alves é responsável pela direção musical da Lira do Rosário há 10 anos. Para o maestro “os jovens hoje em dia querem outras coisas e arranjar motivação é sempre complicado”. Ainda assim para Duarte Alves o balanço é positivo reforçando que “os que estão e ficam na banda são mesmo os que gostam de lá estar, os que sentem prazer em lá estar”.

Sara Sousa Oliveira

(Reportagem publicada na edição digital de maio de 2020)

Categorias: Reportagem