Novo Coronavírus Covid-19

Overview

Foto: DL

A problemática de Saúde Pública com mais impacto na atualidade é a infeção pelo novo coronavírus. As autoridades competentes estão a desenvolver/adequar planos de contingência para fazer face à situação.
Aqui pretendo fazer referência às informações publicadas pela Direção Geral da Saúde (DGS) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), no sentido de contribuir para a educação do leitor no que respeita ao novo coronavírus e de certa forma à gripe A e à gripe sazonal.

O novo coronavírus Covid-19, é um vírus da família dos Coronavírus que causa infeção que pode ser semelhante a uma gripe comum ou apresentar-se como doença mais grave, como uma pneumonia.

O vírus pode ficar incubado de duas semanas até 24 dias, período em que a pessoa está infetada, mas ainda não apresenta sintomas.
Os principais sintomas são a febre, tosse, dificuldade respiratória, falta de ar.

A transmissão do coronavírus pode acontecer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como as gotículas de saliva, os espirros, a tosse, o catarro, o contato pessoal próximo (toque ou aperto de mão), contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

O diagnóstico do novo coronavírus é feito através da análise às secreções do trato respiratório. Não existe tratamento específico até à data. O tratamento é sintomático e de suporte.

Está indicado repouso e hidratação oral, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, em função de cada caso, como, por exemplo o uso de medicamentos para dor e febre (antipiréticos e analgésicos).

Assim que os primeiros sintomas aparecerem, é fundamental recorrer à ajuda médica imediata para respetivo diagnóstico e tratamento.
Não existe vacina, pelo que a prevenção passa por evitar a exposição a este vírus.

As pessoas que possam estar infetados e que apresentem sintomas devem ligar para o centro de contato SNS24 (808 24 24 24), antes de recorrer a serviços de saúde, e referir sempre o histórico de viagens, e/ou contato com animais e/ou pessoas doentes, seguindo as orientações dadas.
As orientações gerais recomendam que sejam tomadas as seguintes medidas:

  • Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infeções respiratórias agudas;
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações;
  • Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente, lavando-as com água e sabão;
  • Adotar medidas de etiqueta respiratória – tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir (com lenço de papel ou com o braço, nunca com as mãos);
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Utilizar lenços de papel;
  • Deitar o lenço de papel no lixo;
  • Lavar as mãos logo de seguida e higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Utilizar máscara cirúrgica, se a sua condição clínica o permitir;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Restrição social.

Aconselho o leitor a cumprir com as medidas de etiqueta respiratória para proteção individual e da comunidade, bem como a manter-se informado sobre a infeção do novo coronavírus. Ainda não se conhece muito sobre este novo vírus, no entanto estão em curso estudos e feitura de vacina cujos resultados são fundamentais para combater este recente problema de Saúde Pública.

Dr. João Martins de Sousa, Delegado de Saúde de Lagoa

(Artigo de opinião publicado na edição impressa de março de 2020)

Categorias: Opinião