Os Museus não são uma seca!

Quando se fala em museus, nomeadamente perante um público infanto-juvenil, há uma tendência para ouvir a expressão “que seca”! Na maioria das vezes, os museus tendem a ser vistos por uma fatia larga da sociedade, como um espaço onde estão guardadas “coisas velhas”, sem interesse. Quantas e quantas vezes, não ouvimos isto, especialmente da boca das crianças e jovens? Pois bem, há que inverter a situação, isto é, fazer com que estes espaços sejam cada vez mais apreciados, tornando-os espaços de deleite e de aprendizagem. Mas a questão que se impõe aqui é: Como fazer para que isto aconteça? O que está mal? Serão os museus que não estão a conseguir acompanhar as exigências da sociedade do século XXI? Serão as mentalidades que continuam fechadas a novas experiências intelectuais? Uma das causas, na minha opinião, advém do facto de se associar, também, Museus a História, outro termo que não é adorado pela maioria. São poucos os que gostam. Até se ouve “Para quê estudar História se é algo que já aconteceu?”. Em poucas palavras diria que só através da História percebemos o passado, para melhor compreender o presente e preparar o futuro. Certo é que os Museus são espaços de História, conhecimento, memória e identidade, onde estão guardadas e expostas as tais “coisas velhas”. Mas as ditas “velharias secantes” fazem parte da nossa cultura. Com a globalização, foram sendo esquecidos certos usos e costumes, que só um Museu poderá preservar. Que jovem sabe hoje o que é e para que serve um talhão? Provavelmente, só o conhecerão visitando um museu!
São poucas as crianças e jovens que visitam os museus, sendo que a maioria tem este contato através da escola, e uma minoria levada pela família. Hoje em dia, os serviços educativos dos museus apresentam uma vasta programação de atividades diferenciadas, em torno das suas coleções, muito convidativa, proporcionando uma experiência agradável ao visitante, desmistificando esse cliché de que os museus são uma seca. Há sempre algo a explorar! Mas por cá há um senão: a maior parte dos museus está fechado aos domingos, dia em que a maioria das famílias estariam disponíveis para uma visita. E o certo é, que, se as crianças não forem habituadas desde a mais tenra idade a ter experiências museológicas, mais tarde já adultos, ouvi-las-emos dizer: Ir ao museu? Que seca!

Joana Simas 

Museóloga

(Artigo de opinião publicado na edição impressa de fevereiro de 2020) 

Categorias: Opinião

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*