Comunidades nos EUA: A emigração as separou e o destino as juntou!

Overview

Duas amigas de Água de Pau reecontram-se nos Estados Unidos

Tenho presenciado verdadeiros manifestacoes de amizade entre os nossos emigrantes. A vida é breve e passa depressa demais e quando damos conta passaram-se tantos anos. No entanto, se tivermos feito verdadeiros amigos quando ainda brincávamos, essa amizade, fica para a vida. Pelo menos era assim na minha mocidade e na destas emigrantes pauenses que tive o previlégio de juntar na América nos meses de dezembro e janeiro passados.
Duas amigas de Água de Pau reencontram-se na Portugalia Marketplace, em Fall River, o “Ponto de Encontro” da comunidade portuguesa, luso e americana.
Olga cresceu na rua da Arrochela e a Aldina nasceu na rua da Trindade e depois viveu na rua da Ribeira. Ambas cresceram e brincaram juntas e eram a melhor amiga uma da outra. Depois na década de 1960 emigraram e embora Olga fizesse várias tentativas para encontrar a amiga Aldina, nunca o conseguiu até hoje quando juntei as duas em Fall River. As fotos refletem bem o sentimento que invadiu as duas: uma amizade muito antiga que nem o tempo conseguiu apagar ou refrear. Olga vive na Vila de Bristol e a Aldina na Vila de Acushnet.

A Manuela juntou-nos mais de 50 anos depois – Portugalia Marketplace em Fall River

No dia 25 de Agosto de 1958 a minha irmãzinha mais velha – Maria Manuela – morreu num trágico acidente, atropelada por um camião da empresa de Transportes Vilafranquenses, quando brincávamos, numa correria, comigo na frente, no passeio em frente de A Cova da Onça, em Água de Pau. Aldina e Maria de Lurdes, praticamente partilharam do acidente, eram as duas amiguinhas que brincavam com ela. Eu nem dei por isso pois tinha apenas quase quatro anos. Elas e outras seis amiguinhas acompanharam a Manuela ao cemitério. Poucos anos depois emigraram ambas para os EUA. Desde então, nunca mais se encontraram. Em 1997, encontrei a Aldina e em 2015 a Maria de Lurdes, agora Marylou.
No sábado, dia 7 de dezembro [2019] quando me encontrava junto a uma exposição do Presépio da Lagoa, na Portugalia Marketplace, em Fall River, vi duas senhoras aproximar-se de mim. Sei que elas não se conheciam. Eram as duas amiguinhas da Manuela, as mesmas que brincaram com ela ainda no dia em que a Manuela morreu. Aldina chegou primeiro e a Marylou, aguardou, mas eu aproximei as duas e apresentei uma a outra. Nem queriam acreditar. Seguiram-se momentos de muita comoção e até chorei. Recordam-me suas brincadeiras com a Manuela. Coisas do destino? Não! Despedimo-nos confiantes de que foi a minha irmazinha Manuela que nos juntou aos 3 na Portugalia Marketplace, mesmo ao lado do Presépio… tal como nos juntamos eu, a Manuela e meus pais a volta do presépio, na nossa casa, antes de ela partir, para o céu!


A verdade mesmo é que foi o Presépio da Lagoa, o motivo de nos juntarmos depois de tantos anos. O Presépio da Lagoa, vem juntando todos os anos, desde 1999 nos Estados Unidos a comunidade lagoense em particular, mas também a portuguesa, lusa e americana em geral. De resto, quem gosta de presépios tem de ser boa gente porque em vinte anos a expor presépios nos EUA e Canada e mesmo no Brasil criei e cultivei centenas de amizades com gente maravilhosa, afastando ao mesmo tempo figados azedos, gente de mau caracter, pessimistas e agnosticos, que olham de escantilhão para o presépio, para mim e para as pessoas felizes e sociaveis deste nosso mundo.

RoberTo MedeirOs

(Artigo de opinião publicado na edição impressa

Categorias: Opinião