Grupo de Cantares de Santa Cruz vai lançar novo CD

Overview

Terceiro álbum pretende reúnir originais do grupo e começa a ser gravado este ano

Foto: DL

O anúncio foi feito no tradicional concerto de Natal que serviu para assinalar o 23º aniversário do Grupo de Cantares Tradicionais de Santa Cruz (GCTSC), no final de dezembro passado. O momento serviu também para homenagear, a título póstumo, Conceição Baganha, que integrava o grupo há vários anos.
No Convento de Santo António, em Santa Cruz, o Presidente do GCTSC explicou que as gravações vão arrancar este ano “para quando o grupo chegar aos 25 anos, daqui a dois anos, já ter pelo menos 3 CD´s”, afirma.
Maestro do GCTSC há 4 anos, Álvaro Cabral, destaca a riqueza do repertório do GCTSC. “Quero ver se consigo fazer um CD só com músicas originais uma vez que temos um cancioneiro de Natal muito rico precisamente porque este grupo nasceu no Natal”, enfatiza. O maestro destaca a camaradagem e a amizade como sendo os pilares do grupo.
E na origem de tudo, está o fundador que, ajudado precisamente por um grupo de amigos, decidiu “dar as boas festas”, cantando, de casa em casa. “Começámos com 25 pessoas e acabamos com 50 porque as pessoas que estavam em casa acompanhavam-nos. A certa altura já não conseguiam entrar todos nas casas e metade ficava cá fora”, conta Clemente Raimundo, a sorrir.
23 anos depois faz questão de enfatizar o orgulho que sente, na primeira pessoa: “eu gosto muito disto, foi uma coisa que eu criei, que está na minha história e faz parte da história da Lagoa”, sublinha.

“A sexta-feira é o dia do nosso reencontro de amigos”
A Lagoa vê o seu nome lá fora, também através do GCSC. Fernando Jorge admite a dificuldade em arranjar verbas para manter o grupo mas realça também que, devido aos intercâmbios que têm sido feitos com outras instituições, quem canta e toca no Grupo de Cantares sente uma motivação extra para se continuar a dedicar à música. O  Presidente do GCTSC lembra que boa parte das atuações são feitas a título gratuito e as que não são têm um valor meramente simbólico. “Somos todos voluntários, e a sexta-feira é o dia do nosso reencontro de amigos. Os amigos reúnem-se na nossa sede, no nosso dia de ensaio, fazemos o nosso trabalho, ri-se, brinca-se e acaba por surgir o que se vê nos concertos”, destaca o maestro.
Os concertos vão ser vários, ao longo do ano, com destaque para aqueles que o grupo irá fazer fora dos Açores.
Em maio deste ano está prevista a participação do GCTSC nas festas do Divino Espírito Santo recriadas em Lagoa, no Algarve.
Atualmente o GCTSC conta com 44 elementos, dos 8 aos 68 anos.
Do repertório dos seus concertos fazem parte músicas do universo popular português, incluindo vários originais criados por músicos do grupo.

Sara Sousa Oliveira

Categorias: Cultura