Rui Bettencourt defende que a diáspora açoriana potencia as diferentes diásporas portuguesas

Overview

O Secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas defendeu, em Viseu, a “potenciação” das diferentes diásporas portuguesas através de uma maior articulação e colaboração entre todos.

Rui Bettencourt, que intervinha no painel ‘As Regiões Autónomas e a Diáspora’, no âmbito do IV Encontro de Investidores da Diáspora, manifestou a total disponibilidade da Região e do Governo dos Açores para colaborar nesse sentido.

“Evidentemente que a Região Autónoma dos Açores está mais que disponível para articular as suas medidas, para potenciar aquelas medidas que estão a ser pensadas a nível nacional e as estratégias que também podem ser conjugadas, estamos disponíveis para essa potenciação, tanto mais que nós trazemos para a dimensão nacional os tais milhão e meio de Açorianos e grandes investidores dos EUA, Canadá e Brasil” afirmou o governante.

Para o Secretário Regional, colocam-se várias questões “quando há uma diáspora desta dimensão que se pretende envolver no projeto de desenvolvimento da Região”, considerando que devem ser criados “instrumentos que facilitem este envolvimento”.

O titular da pasta das Relações Externas destacou a recente criação do Conselho da Diáspora Açoriana, como um desses instrumentos e referiu que os seus objetivos passam essencialmente por “envolver todos os Açorianos no projeto de desenvolvimento dos Açores”, questão que “deve ser potenciada” no todo nacional.

Rui Bettencourt apresentou o processo de registo na plataforma ‘Açorianos no Mundo’, atualmente em curso, com vista a registar os Açorianos de todo o mundo e eleger os seus representantes num Conselho que também terá representantes da República, “para melhor poderem articular as políticas entre si através deste órgão potenciador dessa estratégia de envolvimento dos portugueses da diáspora e dos investidores da diáspora portuguesa”.

Na sua intervenção, Rui Bettencourt abordou as potencialidades e desafios que se colocam aos Açores, frisando o seu “posicionamento geoestratégico particular” e a sua “realidade geoestratégica humana e de potencial humano” que é a sua diáspora, com seis vezes mais a população que vive no arquipélago, “o que dá uma ideia da projeção mundial desta diáspora no mundo”.

O Secretário Regional manifestou também a disponibilidade do Governo dos Açores para que, em 2020, se realize nos Açores um novo Encontro Intercalar de Investidores da Diáspora, na sequência do I Encontro Intercalar, que decorreu em 2018 na ilha Terceira e que teve “um importante retorno em várias áreas”.

O IV Encontro de Investidores da Diáspora, promovido pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, através do Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora (GAID), em conjunto com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro e a Comunidade Intermunicipal de Viseu Dão Lafões, visa proporcionar uma oportunidade para promover e aprofundar o conhecimento mútuo, partilhar experiências e conhecer novos mecanismos institucionais de apoio ao investimento em Portugal, facilitando também parcerias e negócios relevantes.

DL/Gacs

Categorias: Comunidades