Espaço saúde: Intoxicações alimentares

É verão, está calor, há que aproveitar os dias de praia, os passeios no campo, os piqueniques, os churrascos… ir de férias… Mas é importante ter presente que esta também á a altura do ano mais propicia a intoxicações alimentares. As temperaturas elevadas favorecem a propagação de microrganismos como bactérias e parasitas, nos alimentos levando á sua deterioração. Ao serem consumidos estes alimentos provocam doença. Os primeiros sintomas podem ser percebidos logo após a ingestão de alimentos contaminados ou surgir horas ou mesmo dias mais tarde. Estes sintomas traduzem-se, geralmente em diarreia, náuseas, vómitos, dores de barriga e estomago, febre, dores de cabeça, entre outros.

Em alguns casos estes sintomas revertem espontaneamente após alguns dias, mas se persistirem ou ocorrerem outros sintomas como sangue ou muco nas fezes e alterações neurológicas deverá recorrer ao seu médico pois algumas infeções podem ser graves e necessitarem de internamento hospitalar.

Se fizer parte de um grupo de risco como bebés, crianças, grávidas, pessoas com o sistema imunitário enfraquecido ou idosos deve consultar o seu médico com maior brevidade.

 Por isso, nesta época de verão deverá ter mais cuidados na seleção, higienização, preparação e armazenamento dos alimentos de forma a prevenir intoxicações alimentares.   
Em dias quentes e nos passeios de verão aconselha-se a evitar o consumo de ovos, iogurtes, leite, sobremesas láteas, queijos macios, marisco, fiambre, mortadela e produtos similares, carne e peixe malcozinhados, patés, sanduíches pré-embaladas, molhos (maionese, natas e outros), bolos com creme/chantilly…

Opte por alimentos que corram menor risco de contaminação como a fruta, o pão, as bolachas e outros alimentos secos. Os alimentos que estavam no frigorífico devem ser transportados e conservados no frio.

Não esquecer que o consumo de água é fundamental, especialmente nos dias mais quentes, de forma a evitar a desidratação. Os sumos de frutas naturais são também uma boa opção.

Minimize os riscos:

– Lave frequentemente as mãos

– Seja seletivo na escolha dos alimentos que consome, rejeite os de aparência duvidosa.

– Mantenha as medidas de higiene na preparação e conservação dos alimentos.

– Lave cuidadosamente os alimentos a serem consumidos crus.

– Cozinhe muito bem carnes e peixes, evite os “mal passados”

– Mantenha sempre separados os alimentos cozinhados dos alimentos crus.

– Consuma os alimentos num curto espaço de tempo após a sua confeção e guarde sobras no frigorifico em recipiente fechado.

– Evite a exposição dos alimentos a mosquitos e outros agentes de contaminação.

– Caso faça refeições fora casa, verifique as condições de higiene do local

– Antes de ingerir alimentos embutidos, verifique o prazo de validade e as condições de armazenamento. Nunca ingira alimentos provenientes de latas que estejam “inchadas”, pois isto revela a proliferação inadequada das bactérias.

Atenção!

Ao viajar, especialmente para um país exótico deve tomar precauções acrescidas para evitar intoxicações alimentares. Marque uma consulta do viajante.

Dr. João Martins de Sousa
Delegado de Saúde de Lagoa
(Artigo publicado na edição impressa de agosto de 2019)

Categorias: Espaço saúde, Opinião, Saude

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*