BE desafia autarquia da Lagoa a integrar trabalhadores de programas ocupacionais

O Bloco de Esquerda de Lagoa desafiou a Câmara Municipal a abrir vagas para integrar todos os trabalhadores que estão ao abrigo de programas ocupacionais e que desempenham funções que correspondem a necessidades permanentes da autarquia, acrescentando, em comunicado de imprensa a que tivemos acesso, que, em fevereiro deste ano, a autarquia tinha mais trabalhadores ao abrigo de programas ocupacionais do que funcionários efetivos.

Segundo informou a própria autarquia em resposta a um pedido de informação efetuado pelo representante do BE no concelho de Lagoa, em reunião da assembleia municipal, no mês de fevereiro havia 149 trabalhadores ao abrigo de programas ocupacionais na câmara, quando – de acordo com o quadro de pessoal que está em vigor – a autarquia de Lagoa tem apenas 138 trabalhadores efetivos.

“Trata-se de uma situação clara de recurso abusivo a estes programas ocupacionais como forma de obter mão-de-obra barata e sem direitos”, refere o BE, afirmando que se, de um dia para o outro, estes 149 trabalhadores ao abrigo de programas ocupacionais não comparecerem ao trabalho, certamente muitos serviços da autaquia serão afetados.

O Bloco de Esquerda lamenta ainda, em comunicado de imprensa, que a autarquia não tenha implementado o Programa de Regularização de Precários na Administração Pública (PREVPAP) para resolver esta situação, e que nem sequer tenha respondido a um requerimento do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda da Assembleia da República sobre a implementação do PREVPAP enviado a todas as autarquias do país, em agosto do ano passado.

DL/BE

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*