NRP Viana do Castelo em patrulha e vigilância no mar dos Açores

Entre 27 de maio a 13 de junho, o navio patrulha Viana do Castelo realizou mais uma missão de patrulha e vigilância das atividades marítimas no mar dos Açores, percorrendo cerca de 1600 milhas náuticas (aproximadamente 2963km.

As missões dos navios da Marinha na Zona Económica Exclusiva (ZEE) dos Açores têm como principal objetivo realizar a vigilância das atividades de pesca, da navegação mercante e dos navios de investigação científica.

Durante a sua missão, o navio patrulha oceânico focou o seu esforço de vigilância nos principais bancos dos Açores, nomeadamente no Banco Condor, Banco Açores e Banco D. João de Castro, bem como a Nordeste da ilha Graciosa, com o objetivo principal de monitorizar e vistoriar as embarcações de pesca comunitárias entre as 100 e as 200 milhas (185 a os 370km), detetando as atividades ilegais com o intuito de garantir a preservação das espécies e habitats naqueles locais. O navio foi empenhado pelo Comando da Zona Marítima dos Açores que forneceu, em tempo real, todo o panorama da área de missão.

No decorrer das ações de vistoria, as equipas do NRP Viana do Castelo sensibilizaram os mestres das embarcações para os aspetos importantes da proteção dos recursos vivos e da segurança da navegação, com especial incidência nos prazos de validade dos equipamentos (balsas salva-vidas, coletes, pirotécnicos e extintores) e a sua correta utilização. Paralelamente, foi também abordada a problemática do lixo no mar, aconselhando a comunidade piscatória a guardar a bordo o lixo gerado e recolhido durante as fainas de pesca, o qual deve ser desembarcado após a chegada ao porto.

Durante o 1º semestre de 2019 a Marinha empenhou três navios patrulhas oceânicos na ZEE dos Açores, o NRP Sines, o NRP Figueira da Foz e o NRP Viana do Castelo, que percorreram um total de 9772 milhas náuticas (cerca de 18097km).

As ações de vigilância dos espaços tiveram especial enfoque na deteção de embarcações a operar de forma ilegal em zonas protegidas ou de pesca interdita, nomeadamente nas áreas mais remotas da ZEE, entre as 100 e as 200 milhas náuticas, nas Reservas Naturais Marinhas, áreas Marinhas Protegidas dos Ilhéus das Formigas, Banco D. João de Castro, Banco Condor e Banco Princesa Alice.

No ano de 2019, a maioria das infrações que se verificaram está relacionada com a segurança das embarcações e tripulações. Realça-se que a segurança da tripulação a bordo é uma responsabilidade dos Comandantes/Mestres dos navios, devendo ser uma prioridade para todos os que andam no mar garantir que os equipamentos de segurança e de comunicações de bordo se encontram em perfeito estado de funcionamento.

A Marinha, através do Comando da Zona Marítima dos Açores, no âmbito das suas competências, tem por missão garantir a vigilância nos espaços marítimos dos Açores em articulação com entidades regionais e nacionais garantindo uma atuação cooperativa entre as forças e unidades operacionais.

DL/AM

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*