Espaço saúde: Bronquiolite

A bronquiolite é uma infeção aguda das vias aéreas inferiores, mais precisamente os bronquíolos, que afeta crianças com menos de 2 anos de idade.

As bronquiolites são das causas mais comuns de doença e internamento em crianças até aos dois anos de idade, sendo a incidência máxima entre o primeiro e o sexto mês de vida.

A causa é viral em 70% dos casos.

A bronquiolite começa a manifestar-se como uma simples constipação, com obstrução ou corrimento nasal e tosse, ao fim de 2 ou 3 dias inicia-se a pieira, e a criança pode apresentar cansaço ao comer ou mamar, este quadro pode ou não ser acompanhado por febre.

O diagnóstico é sobretudo clínico. O médico faz o exame físico á criança e pode pedir a medição da saturação de oxigénio no sangue entre outros exames para decidir sobre a necessidade ou não de internamento hospitalar.

Os sinais de alarme do agravamento da doença que os pais devem reconhecer  são: prostração, palidez, cianose (coloração azulada dos lábios ou das extremidades), apneia (situação em que as crianças param temporariamente de respirar), recusa/dificuldade em mamar, desidratação, aumento da frequência respiratória (número de vezes que se respira por minuto e que é variável com a idade), tiragem (quando respira, a pele “mete-se” entre as costelas ou por cima do esterno e faz uma espécie de “buraquinho”), adejo (as narinas começam a abrir em cada inspiração para obter o máximo de ar).

A maioria das bronquiolites agudas são leves e não necessita de tratamento específico. Devem ser tomadas algumas medidas para o cuidado e conforto da criança tais como: criar um ambiente calmo, evitar fatores agravantes como o tabaco,  elevar a cabeceira da cama a 30º,  recorrer a antipiréticos se existir febre, paracetamol ou ibuprofen, conforme prescrição médica, desobstruir as vias aéreas através de lavagem nasal frequente com soro fisiológico e/ou aspiração de secreções, fazer refeições mais pequenas e com intervalos mais curtos, é importante manter uma boa hidratação, dando água nos intervalos das refeições.

Os broncodilatadores, quando prescritos, devem ser administrados com um inalador pressurizado associado a uma câmara expansora.

Não devem ser administrados xarope para tosse.

A bronquiolite é uma infeção extremamente contagiosa e a transmissão faz-se pelo contacto com secreções respiratórias contaminadas, sendo o modo mais frequente de transmissão o contato com mãos que possuem secreções contaminadas.

Geralmente, as crianças adquirem a infeção após exposição a familiares infetados ou a crianças doentes na creche.

Outros fatores de risco é a exposição ao fumo do tabaco, ser do sexo masculino, ter sido amamentado por um período inferior a 1-2 meses e ser de baixo nível económica.

É possível prevenir a bronquiolite através de medidas de higiene como a lavagem das mãos antes de mexer nas crianças, evitar a exposição ao fumo do tabaco, uma vez que, o tabagismo passivo aumenta o risco e a gravidade das bronquiolites, evitar locais de grande concentração de pessoas / poluídos, caso se esteja constipado deve evitar o contato sem máscara.

 Se necessitar mais esclarecimentos sobre esta patologia que tanto aflige os pais, não hesite e procurar o seu médico ou enfermeiro.

Tenha sempre presente que: 

A lavagem das mãos antes de lidar com os bebés é das medidas mais importantes para diminuir o contágio.

Dr. João Martins de Sousa
Delegado de Saúde de Lagoa
(Artigo publicado na edição impressa de maio de 2019)

Categorias: Espaço saúde, Opinião, Saude

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*