“Primeiro os Açores e só depois o partido”

O presidente do PSD/Açores criticou a direção nacional do partido por não incluir um representante dos Açores em lugar elegível nas próximas eleições europeias, admitindo a “possibilidade de não fazer campanha” no arquipélago.

De acordo com uma nota do partido, e citando Alexandre Gaudêncio, “defendemos primeiro os interesses dos Açores e só depois o do partido. Como refere a divisa do brasão de armas dos Açores, ‘antes morrer livres que em paz sujeitos’”, sublinhou o mesmo, à margem do Conselho Nacional do PSD realizado em Coimbra.

Para o líder dos social-democratas açorianos, a recusa da direção nacional do PSD em atribuir um lugar elegível aos Açores na lista nacional ao Parlamento Europeu vem “quebrar uma tradição de mais de 30 anos”.

“Dissemos, olhos nos olhos, ao líder do partido e em frente de toda a direção nacional, que, a partir deste momento, irá haver consequências políticas em relação à própria campanha eleitoral das europeias”, disse.

Alexandre Gaudêncio adianta que o assunto será “em breve” discutido internamente e nos órgãos regionais do partido.

“Lamentamos a forma como fomos tratados [pela direção nacional do partido]. Dissemos sempre que não aceitamos ser tratados como portugueses de segunda”, realçou.

DL/PSD-Açores

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*