Grupo Finançor recebe 500º Selo da Marca Açores

 Finançor selo Marca Açores-certificado_jornal diario da lagoa

A linguiça curada da Salsiçor foi o produto que recebeu o selo 500 da Marca Açores. Na cerimónia de entrega do certificado, o empresário Romão Brás, do Grupo Finançor, anunciou que o grupo empresarial já tem mais de 120 produtos com a Marca Açores e estão a preparar mais 180 para certificação.

Em declarações aos jornalistas, Romão Brás diz que o certificado é um desafio e uma responsabilidade, tendo considerado justa a entrega do mesmo.

No âmbito da cerimónia de atribuição do certificado do produto 500 da Marca Açores à linguiça curada Salsiçor, o empresário aproveitou a ocasião para mostrar os números da produção do grupo nos últimos anos, com as vendas totais a ultrapassarem o valor de 144.412 mil toneladas em 2010 para um máximo histórico de 170. 235 mil toneladas em 2015.

Segundo explicou o empresário, a Finançor entende que o mercado reconhece que é necessário defender o que se produz nos Açores, havendo a necessidade de serem produtos com preço adequado e de qualidade reconhecida.

Lideres em várias áreas onde estão presentes, Romão Brás referiu que essa liderança “é uma consequência do esforço diário, que através da qualidade continuamos a apresentar um produto que merece a confiança dos consumidores”.

Romão Brás referiu ainda que o grupo tem uma postura pro ativa, sendo realista otimista. “Acreditamos na nossa terra, no que fazemos e nos produtos que produzimos. Nós, perante os desafios, temos arregaçado mangas, inovando, fazendo coisas diferentes, resolvendo os problemas e não esperando que os outros resolvam os nossos problemas. Sentimos a crise em várias empresas mas fomos capazes de nos adaptar aos desafios e ultrapassando os que tem surgido”.

Por outro lado, nas declarações proferias á comunicação social, Romão Brás alertou por outro lado, para a necessidade de haver uma maior fiscalização, uma vez que surgem no mercado alguns símbolos que remetem para produtos dos Açores, que muitas vezes não o são ou não tem a devida incorporação que é exigida pela Marca Açores.

“Não deverá haver outros símbolos que levem a confusões junto do consumidor final”, considerou o empresário.

Romão Brás pediu mesmo a intervenção do Governo dos Açores, através do IRAE que “tem um papel determinante para não permitir essas práticas ilegais”.

Atualmente são já 500 os produtos com selo Marca Açores, a maioria está no setor dos frescos e perecíveis (301). O setor da mercearia é o segundo com mais selos (106), seguindo-se o setor dos lacticínios (50), o das bebidas (35) e outros, que engloba artesanato e algas (8).

Recorde-se que a Marca Açores pretende assegurar que o local de origem dos produtos e serviços é a Região Autónoma dos Açores, estimulando a preferência já existente no consumo de produtos açorianos e contribuindo, desta forma, para o crescimento da sua produção, assegurando as condições estruturantes para que as empresas regionais progridam na cadeia de valor, aumentem a sua competitividade e promovam a criação de emprego e de riqueza.

DL

Categorias: Local