Aprovado os planos de ação e evacuação do concelho de Velas em São Jorge

© CMV

O município de Velas, na ilha de São Jorge, nos Açores, deu a conhecer esta quarta-feira, 23 de março, o ponto de situação da crise sísmica que se tem feito fazer sentir desde o passado dia 19 na ilha jorgense.

Em conferência de imprensa, o presidente do município, Luís Silveira, anunciou que “os planos de ação e evacuação foram aprovados pela Comissão Municipal de Proteção Civil, em reunião tida esta manhã”.

Em caso de necessidade, o plano aponta para “a evacuação global” ou “por freguesias do concelho de Velas para o concelho vizinho da Calheta”, sendo que já estão de prevenção as respetivas autoridades envolvidas no processo, nomeadamente, as corporações de Bombeiros, as Forças de Segurança (PSP/ GNR), a Autoridade de Saúde e a Autoridade Marítima, assim como as Forças Armadas, em articulação com o SRPCBA.

Segundo o IPMA, desde as 17h00 do dia 19 de março que foi detetado um aumento significativo da frequência da atividade sísmica na ilha de São Jorge, situação que se mantém até este momento.

Foram registados mais de 1300 sismos naquela zona do arquipélago, com epicentros distribuídos numa direção próxima do alinhamento da ilha, entre Velas e o Pico da Esperança. As magnitudes variam entre 1.2 e 3.6, tendo o maior sismo ocorrido nas primeiras horas da crise sísmica. De acordo com as características dos sismos registados e a localização geográfica das populações, é esperado que mais de 100 sismos possam ter sido sentidos, sendo que até ao momento a intensidade máxima observada foi de IV (Mercalli modificada, 1956).

A origem da sismicidade pode estar relacionada com a ascensão de magma num dique magmático, fenómeno esse que provoca fragmentação das rochas em profundidade o que se traduz em libertação de energia elástica sob a forma de sismos.

A autarquia de Velas, em comunicado, faz ainda o apelo à população para que “mantenha a tranquilidade e serenidade possível”, realçando que está “todo o trabalho a ser feito numa base preventiva, uma vez que a atividade sísmica tem vindo a manter-se idêntica desde o passado dia 19, sendo necessário estarem atentos aos comunicados das entidades oficias, no caso do SRPCBA e Serviço de Proteção Civil Municipal, não dando importância a outro tipo de informação dispersa, e muitas vezes errada”.

DL

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário