Log in

António José de Melo, um dos últimos calafates dos Açores

Já perdeu a conta aos barcos de boca aberta que já construiu mas o último foi há quatro anos. O vilafranquense conta ao Diário da Lagoa como é construir embarcações

António José de Melo tem 65 anos e é natural de Vila Franca do Campo © ACÁCIO MATEUS

À procura de quem ainda constrói barcos de boca aberta em madeira, na ilha de São Miguel, quisemos saber mais sobre a arte, tendo surgido o nome de António José de Melo, natural de Vila Franca do Campo. Com o nome e uma indicação, o Diário da Lagoa (DL) saiu da redação rumo à antiga capital da ilha. Com um “fica no porto da Vila”, lá chegamos e após abordar os locais bateu-se à porta de um armazém, pintado de ferrugem devido à erosão provocada pelo sal do mar. Apenas alguns instantes depois aparece António José de Melo, com um balde na mão, e dirige-se calmamente até nós. Convida-nos a entrar e começa por contar que tem “65 marés” numa alusão à sua ligação com ao mar.

Ao DL conta que a sua vida profissional começou aos 10 anos “após acabar a escola”. Aprendeu a arte de calafate com o seu pai que trabalhava como chefe de construção naval na Sociedade Corretora. “Fiz os...

Artigo exclusivo para assinantes

Assine já por apenas 0.50€ e ajude-nos a contribuir para um jornalismo mais independente.

Por apenas 0.50€ poderá continuar a ler este artigo.