Abertura de concurso para obras no Porto de Ponta Delgada segue para publicação

A Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas anunciou que será enviado esta quarta-feira para publicação em Diário da República o anúncio de abertura de concurso da empreitada de reperfilamento do cais -10 e de repavimentação do terrapleno do Porto de Ponta Delgada.

Ana Cunha adiantou que esta empreitada, no valor de 32 milhões de euros, “visa, de forma muito significativa, melhorar a operação no Porto de Ponta Delgada e dar resposta cabal àquele que se prevê ser o seu crescimento nos próximos 10/15 anos”.

A Secretária Regional frisou que, “para além de permitir a operação de contentores em linha, esta obra aumenta significativamente a área de terrapleno para contentores de 20 pés e de 40 pés”, acrescentando, a título de exemplo, que, no que se refere aos contentores de 40 pés, “aumenta a capacidade de 224 lugares para cerca de 540, portanto, um aumento muito significativo de armazenagem”.

Para a titular da pasta dos Transportes, esta “é uma obra de importância crucial para o Porto de Ponta Delgada”, a que se junta o início do processo de renovação dos equipamentos móveis neste porto, que têm vindo a sofrer também algum desgaste em função das obras que estão em curso.

Esse processo de renovação, que representa um investimento de cerca de 1,5 milhões de euros, “será inicialmente para empilhadoras, mas também será faseado porque, em função daquilo são as obras que vão ter agora início, conjuga-se a sua aquisição com as condições para operarem”, disse.

Ana Cunha, que falava na Comissão Eventual de Inquérito ao Setor Público Empresarial e Associações sem Fins Lucrativos Públicas sobre as empresas Portos dos Açores, Atlânticoline e Naval Canal, lembrou ainda que “o navio de 40 metros que vem substituir o ‘Mestre Simão’ já está em construção”.

Relativamente ao navio de passageiros maior, faz parte de um concurso lançado pela Região, existindo três concorrentes qualificados, adiantando a Secretária Regional que “o processo está neste momento em fase de análise com o júri”.

Ana Cunha esclareceu que o prazode construção “depende da proposta que for classificada em primeiro lugar, mas, previsivelmente, sendo um concurso de conceção e construção, não se prevê que esteja construído e operacional antes do final de 2020, início de 2021″.

A Secretária Regional abordou ainda o processo da Naval Canal, recordando que, neste momento, a empresa “faz parte do pacote de reestruturação do Setor Público Empresarial Regional”, acrescentando que se pretende “potenciar a exploração dos estaleiros através da alienação da empresa Naval Canal”.

DL/Gacs

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário