300*

Lídia Meneses
Presidente Lions Clube Lagoa 2019/20

O ano lionístico começou em junho de 2019 cheio de atividades para realizar e convívios a promover mas, entretanto surgiu o imprevisto. Aquela situação anómala, a que chamamos pandemia Covid-19 e que nos lançou num tumulto de medo, perdas, contradições e isolamento. Muitos foram os Lions, porém, aptos a responder construtiva e rapidamente à sua comunidade e ao seu clube, implementando novos métodos ao improvisar sistemas de votação digital, promover reuniões e convívios online e servindo a comunidade de inserção e a geral, nas suas necessidades mais prementes.

O Clube Lions Lagoa Açores suspendeu todas as atividades, reuniões e celebrações públicas, desde março, para corresponder com mais doações de alimentos a famílias numerosas, com os seus Cabazes Solidários. Este auxílio foi concretizado, todos os meses, graças à disponibilidade dos membros, doações de cidadãos locais, à Câmara Municipal da Lagoa e com o devido cumprimento das regras de distanciamento e higiene.

Atividades interessantes ficaram por realizar mas – ainda assim – de junho de 2019 a março de 2020, vários foram os eventos como: angariação de fundos, reuniões, celebrações, workshops, rastreios de saúde e iniciativas que dinamizaram o serviço prestado à comunidade e ao convívio entre Lions. Este foi um plano de atividades feito em sintonia com o poder local, cidadãos lagoenses, o aval e o trabalho dos companheiros.

Podemos regozijarmo-nos de encerrar este capítulo com uma agradável sensação de serviço cumprido pois, poder ajudar é gratificante e enriquecedor. Face às atuais circunstâncias, muito mais serviço nos exigirá a atenção.

Mostramos, aqui, algumas das nossas publicações, em redes sociais, na app My Lion e na televisão, onde fomos defendendo a importância de pertencer a este clube, mas não terminamos sem antes partilhar uma pequena reflexão:
Várias respostas são aceitáveis quando questionamos a razão de ser Lion, entre muitas a de prestarmos auxílio aos mais vulneráveis, mas há razões que começam na inquietação da alma. Naquela insatisfação, por todos nós inteligível, a de não sabermos ao certo, porque andamos por cá e se a nossa vida tem impacto. O Lionismo alarga-nos os horizontes desta fome de alma, desta insatisfação, permitindo-nos auxiliar os mais necessitados ao mesmo tempo que crescemos e que evoluímos, como organização. O saber acumulado e a estrutura Lion, quando gerida de forma salutar pode, de facto, criar benesses. Para isso é importante saber guardar o ego e saber conviver em democracia. Saber ser cívico.

O propósito é servir e para servirmos bem, precisamos trabalhar bem, em conjunto. Que o próximo ano nos ilumine.

* 300 foi o número de pessoas servidas pelo LC Lagoa – S. Miguel, Açores

(Artigo de opinião publicado na edição impressa de agosto de 2020)

Categorias: Opinião

Deixe o seu comentário